Saludo | Nora Ciapponi – Fundación Pluma

Nora Ciapponi – Fundación Pluma

A política de arquivo de nossa corrente teve inicio com os primeiros esboços de organização. Ainda que formalmente o Grupo Obrero Marxista (GOM) na Argentina fez sua aparição pública no ano de 1944, um ano antes se havia constituído em grupo fundacional firmemente decidido a inserir-se na classe trabalhadora e em suas lutas. As dificuldades apareceram rapidamente, do que ao longo da história, na Argentina se deram sucessivos golpes de estado (1943, 1955, 1962, 1966, 1976) que uma vez ou outra forçaram a atuar na clandestinidade, o que junto com as perseguições e detenções sofridas como organização, dificultavam a continuidade e a guarda dos arquivos.

A longo de nossa historia o arquivo partidário nunca estee em locais públicos, a exceção de alguns anos no período do Movimento ao Socialismos, pós abertura democrática iniciada em 983. Dessa maneira, apenas poucos companheiros, que assumiam a tarefa, conheciam sua localização. Estas medidas se aprofundaram más, entretanto, em função de que com o golpe de 24 de março de 1976 o Partido Socialista do Trabalhadores (PST) foi colocado na ilegalidade, ou seja, e com isso foi proibida toda a atividade. Baste ver em www.fundacionpluma.info/, a lista dos companheiros e companheiras assassinados e ou desaparecidos entre 1974 e 983. junto com eles, outros cento e dez companheiros e companheiras estiveram detidos por longos anos.

As opções que se apresentavam para resguardar os arquivos eram sumamente complicadas e ariscadas. A) Organizar novos arquivo em papel, duplicados ou triplicados do existente, dado que preventivamente guardava-se vários exemplares de documentos e publicações além das microfilmagens. B) Apelar para todo aquele a locais que não foram residencias de militantes, senão simpatizantes e ou amigos próximos sem atecedentes de detenção ou perseguição para que pudessem dispor de espaço físico e concordancia da família para correr o risco. C) Para responder a qualquer destas variantes havia que enfrentar primeiramente as complicações do transporte, já que existia controle policial e militar extenso e rigoroso.

Ainda que tenhamos sofrido perdas de materiais por tantos movimentos e contratempo, eles foram minimos em relação ao volume e as condições com que se encontram os materiais.

Os arquivos contem não só documentação e ou publicações da Argentina desde o inicio (1944) até o ano de 1992, ano em que produziu a mais importante ruptura partidária nacional e internacional. Contém, tambem, parte substancial da atividade internacional em diversos períodos de países, exceção para anos 1976 a 1982 quando pelo golpe de estado na Argentina, Moreno e sua equipe de trabalho se mudaram para Colombia.

A troca de publicações, documentação com dicersos países da Europa e America Latina, como outra parte importante de seu acervo, soma-se a documentação interncabiada como outro agrupamentos internacionais do trotskismo. Tudo isso constitui, sem duvida, um valioso aporte para o conhecimento, pesquisa e informação das novas gerações, tanto de historiadores, estudantes como militantes. E, sem que fosse o propósito, colabora para resgatar os fatos mais importantes da luta de classe e nível mundial, dado que sempre fomos uma corrente profundamente internacionalista

Nos que encaramos esta tarefa faz mais de nove anos, ainda que com reduzidas forças e meios, temos o orgulho e a satisfação de haver conseguido que a pagina web, www.fundacionpluma.info/ não tenha restrições de nem um tipo e que já contenha milhões de documentos digitalizados a disposição de que os necessite.
Também, porque empre nos animou o desejo e a decisão de finalizar nosso trabalho realizando doações a uma instituição pública preferencialmente latino americana. E em essa busca, estamos satisfeitos em estar formalizando convenio com a Universade de Campinas, Arquivo Edgard leuenroth, para todos aqueles materiais já digitalizados em nosso país.

Na homenagem a Nahuel Moreno e a trinta anos de sua deaparição, rendemos assim nossa homenagem.

A história segue viva! Nossas companheiras e companheiros também!

Gracias !

One comment

Dejá un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *