Together we can… make a political revolution! Juntos Podemos… revolucionar a política!

 

Juntos! is a youth movement founded in Brazil in 2011, a very important year for struggles around the world: the Arab Spring, indignados in Spain, the Occupy movement, Chile’s moviment for public education. Struggles for a real democracy of the 99% against the 1% are expressions that this system is rotten and that we need to build something new. We are a movement with its own deliberative foruns, boosted by MES / PSOL as well as many people who are not members of the party.

 

We are joyful with the oppportunity to share experiences with our fellows from YDS, a youth organization that is  intervening in the current USA political process, where the contradictions of the 2008 post-crisis capitalism have been expressed in an accelerated way. Mass movements leaded by young people have been bursted in various parts of the world, and the ability to take lessons from these processes through an active internationalism allows us to better intervene.

 

In this sense, one important event we promoted in 2013 to encourage this process of exchanging experiences was the International Camp of Anti-Capitalist and Anti-Imperialist Youth, in Buenos Aires. This event was organizez by youth political organizations from 4 countries – Brazil (Juntos), Argentina (Juventud Socialista de MST), Venezuela (Marea Socialista) and Peru (COEN – La Lucha Continua, current MPGT), and guests as Syriza (Greece), Izquierda Anticapitalista (Spain), and members of the IV Internatinal youth. Held in Sarmiento Park, this event brought together nearly 2,000 young people, with dozens of panels reflecting the various struggles, such as free public education, housing , black and indigenous resistance, the rights of women and LGBTs, privacy rights against against international mass surveillance, in defense of the environment, among others.

SONY DSC
SONY DSC

In addition to the international camp, we organize several other similar events locally every year. These youth meeting foruns already brought together 100 high school students in Brasilia, 100 young people in Para (Amazon), 200 in Porto Alegre, 400 in São Paulo, and many other cities. These event’s schedules include panels, workshops, discussion groups and cultural interventions on the various anti-capitalist and democratic struggles carried out by the youth.

 

One of the most important themes in those events has been the struggle against mass surveillance bravely denounced by Edward Snowden. Juntos! is proud to be the main youth organization in Brazil to fight for Snowden’s asylum in Brazil and denounce the imperialist policy of digital control. Since then, we established a close relationship with David Miranda, Glenn Greenwald’s partner, who was arrested and interrogated for more than 9 hours in London, as portrayed in Oscar  awarded film “Citizenfour”. We are currently engaged in David Miranda campaign for Rio de Janeiro City Council, which has the support of important names, such as Snowden himself, Naomi Klein, Noam Chomsky and many others.

Snowden_REUTERS_PauloWhitaker

How did we start? Where are heading?
We are living in challenging times. During the year 2013 the youth was an example of unrest and mobilization on the streets of Brazil. June 2013 was a milestone in mobilizing the youth and the Brazilian people. The increase in bus fees in the middle of that year, an attempt to hold down inflation for a few months, made angry young and not-so-young people from north to south, from the big cities like São Paulo, Rio de Janeiro and Porto Alegre to the smallest towns. This episode represented a detonator in a process of latent social discontent, accelerated in the years  of PT government. It was the first time in over 30 years that a significant mass movement was not leaded by PT, and outlined a number of very progressive demands, demonstrating the existence of political space for an alternative third field – neither the traditional right nor petismo. Since then, the country has gone through an intense process of social and political polarization, and growed support for more extreme positions, to the left as well as the right.

fifa go home

Brazil is experiencing an unprecedented political, economic and social crisis, the first that young people up to 30 years passed. This year alone, the unemployment rate was around 10%, and the majority of unemployed is among young people. Nearly half of the mall stores opened since 2012 have shut down. Many of these jobs used to be filled by young people. Walking through shopping districts in some cities, it feels like going through ghosts streets because of the number of establishments that ceased their activities. The construction industry, one of the main contributors for the national GDP, significantly reduced the number of jobs. Again, mostly young people are affected, especially those found in construction, trade or services sectors the first job opportunity. While unemployment increases, also increases job precariousness. With the closing of formal vacancies, youth becomes manpower available for the most precarious work and without any warranty.

 

The Brazilian average income also fell in 2016. However, the cost of living soared. Everything is more expensive: light, water, gas, and transportation fees, and also feed costs. The salary shrank, but the price of tuition in universities increased. In addition, the government restricted the amount available for student loans, preventing many students from renewing or acquirong their credit. In public schools and universities, the picture is increasingly serious. There’s no funding from the salaries of education professionals, to the food that is no longer distributed in schools, either because budget was cut, or because it was diverted in corruption.

 

The example of resistance to the political caste attacks has come since last year from schools in São Paulo that were occupied by students who defeated Alckmin government (PSDB) and its project to close schools, in addition to denounce the political mafia that stole school meals. Their struggle has inspired high school students to occupy schools all around the country and held large demonstrations in several states, as Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Pará, Ceará, Paraná.

olims

Women were also decisive in confronting the political caste, especially since the offensive against the corrupt, conservative sexist congressman Eduardo Cunha, former Speaker of the House. In a country where a woman dies from unsafe abortion every two days in Brazil, Cunha said that abortion would be legalized only over his dead body. The attempt to prohibit emergency contraceptive pill, resulted in the cornering of this corrupt by Brazilian women. Withdrawn from the Presidency of the House because of corruption investigations, Cunha is publicly recognized as a detestable figure, and the clamor for his arrest is almost unanimous in society. The Feminist Spring, a moviment carried out by women in 2015, was an example of social movements denouncing and fighting the political caste and their retrograde program that removes rights.

 

We want to put down elite governments and the parliament handed over to big business, fighting against the regime that perpetuates inequalities in our country. We know that if we do not organize ourselves in our neighborhoods, places of study and work, the political mafia will keep defining Brazil’s future. We repeat the example of occupy politics and take charge of our future.

 

What guides us?

 

The battle of ideas is fought every day. When the bread and bus costs are more expensive we can go back home angry or we can organize our anger with more people to change this reality. The pressure of the streets and strikes is what moves us toward more achievements. We know that it is also necessary to increasingly strengthen the mechanisms of direct participation of the population in the leading of national politics, so the youth and all the social movements would  actually be heard.

Therefore, we highlight the following topics:

 

-Participation in politics: The political representatives in the cities are mostly representatives of the old politics. Young people, blacks, women and LGBTs are underrepresented in parliaments: we need to fill them with all these voices. Politics in Brazil today is synonymous with private business. We need to change this reality, making politics everyone’s matter. It is necessary to radically change the mechanisms of popular participation in politics.

 

– Revolution in economic matters: the country’s economic model aims to maximize the profits of mega business. They receive high tax exemption and bulky fiscal privileges. 99% of the people pay the bill while 1% major investors of finance capital are partying with publig money. Our taxes are drained to first meet the interests of creditors, the main allies of the high-ranking Brazilian politics. In contrast, public services are going from bad to worse. We are in favor of an economic orientation that breaks this model that only benefits large corporations, the bankers, the big contractors.

 

-More rights and freedoms: we stand for high quality of health and education services; the demilitarization of the police; the end of the war on drugs and the criminalization of poverty; the regulation and legalization of marijuana; women’s rights and against all forms of oppression and violence; respect and dignity to LGBTs, for every form of love; the preservation of natural resources and all common goods; against mega-projects like Belo Monte powerplant, which destroy the natural and cultural heritage of the Amazon; respect for traditional communities and all ethnic groups; for cultural diversity; against racism and all forms of prejudice: for more rights, respect for diversity and freedom!

juntas

Why do we intervene in these elections?

 

In the next period will be held elections for city councilors and mayors in Brazilian cities. The critical power and all the youth dissatisfaction can be used to build new paths. The election is an important time where much of the population, for the good or for the bad, debate the country’s politics. It is a time where everyone is concerned with the problems of the cities and try to reflect on solutions for them. If we consider necessary to revolutionize politics, we can not let the hypocrisy and false promises be presented as an alternative. It would be bad that after a period of intense questioning the very same old politicians and parties come out victorious the electoral process.

 

The youth needs to occupy the elections with their claims. It is necessary to strengthen a project connected to our struggles. We must have spokespersons in these elections that raise high our flags and banners. That is why in 2014 the youth that is organized in Juntos! has plunged into Luciana Genro campaign (PSOL) for President of Brazil.

 

June 2013 was the culmination of the struggle against the political regime of the country, when the first dissatisfactions with the crisis reached mass scale. Since then, important processes of struggle are taking place, no one as “global” as June, but having June as a reference. To mention only the youth, we had Feminist Spring and the High school occupations. Furthermore, we had a boom in urban occupations, and a significant increase of strikes the country. Since the foundation of Juntos, we put ourselves a challenge to help building an alternative power to Brazil, with an anti-capitalist program to break with the current political and economic system. We learned from these experiences as well. As part of this construction, the campaign Luciana Genro in 2014 was an important step in this direction: thousands of people had contact with this policy, attuned to these movements.

 

For this reason, we received with great enthusiasm the news in the polls for the mayor of Porto Alegre, where Luciana Genro is leading with 23%, ahead of the PT candidate Raul Pont with 18%. This campaign is the possibility of making the ideas of the consistent left to govern in defiance of the powerful, creating mechanisms bursting mobilization to win more rights. Porto Alegre, which was a very important reference for left, with Participative Budget and hosting several editions of the World Social Forum, can enter the map of democratic experiences as Madrid and Barcelona, governed by Podemos, focusing on the building of another model of democracy from the cities, with effective popular participation . It is possible for the left to win!
Luciana-Genro-e-Juntos

 

Juntos Podemos…Revolucionar a Política!

 

Juntos é um movimento de juventude fundado no Brasil em 2011, um ano muito importante para as lutas ao redor do mundo: Primavera Árabe, indignados na Espanha, movimento Occupy, luta dos chilenos por educação pública. As lutas por democracia real dos 99% contra o 1% são expressões de que este sistema está podre e que é preciso construir algo novo. É um movimento impulsionado por militantes do MES/PSOL, mas reune diversos companheiros que não são do partido, possuindo seus próprios espaços de autoorganização.

 

A possibilidade de compartilhar experiências com companheiros do YDS, organização de juventude que está intervindo no rico processo político dos EUA, em que as contradições do capitalismo pós-crise de 2008 tem se expressado de forma acelerada, é para nós motivo de alegria. Muitas da explosões da juventude tem se repetido em diversas partes do mundo, e a possibilidade de tirar lições destes processos por meio de um internacionalismo ativo nos permite intervir melhor.

 

Procuramos estimular este processo de intercâmbio por meio da organização do I Acampamento Internacional da Juventude Anticapitalista e Antiimperialista, em Buenos Aires no ano de 2013. Este evento foi construído por meio da articulação da juventude de 4 países – Brasil (Juntos), Argentina (Juventud Socialista de MST), Venezuela (Marea Socialista) e Peru (COEN – La Lucha Continua, atual MPGT), além de convidados como Syriza (Grécia), Izquierda Anticapitalista (Espanha), e membros da juventude da IV.

Realizado no Parque Sarmiento, este evento reuniu quase 2 mil jovens, com dezenas de paineis refletindo as diversas lutas, como por educação pública e gratuita, em defesa de moradia, a resistência negra e indígena, pelos direitos das mulheres e LGBTs, contra a espionagem internacional, em defesa do meio-ambiente, dentre outras.  

 

Além do acampamento internacional, realizamos diversos outros eventos similares em nível local todos os anos. Nestes espaços de reunião da juventude, chegamos a reunir 100 secundaristas em Brasília, 100 no Pará (Amazônia), 200 jovens em Porto Alegre, 400 jovens em São Paulo, e em muitas outras cidades brasileiras. Nestes acampamentos são organizados painéis, grupos de discussão, intervenções culturais sobre as diversas lutas anticapitalistas e democráticas realizadas pela juventude.

 

Um dos temas mais presentes nas nossas acampadas é a luta contra a espionagem em massa, bravamente denunciada por Edward Snowden. Juntos se orgulha de ter sido a principal organização de juventude no Brasil a lutar pelo asilo a Snowden no país e denunciar a política imperialista de controle digital. Desde então tivemos uma relação de muita parceria com David Miranda, companheiro de Glenn Greenwald que foi preso e interrogado por mais de 9h em Londres, como retratado no documentário ganhador do Oscar Citizenfour. Atualmente estamos empenhados na campanha de David Miranda para vereador no Rio de Janeiro, que conta com importantes apoios, como o do próprio Snowden, de Naomi Klein, Noam Chomsky e muitas outras figuras de peso.

 

De onde partimos, para onde vamos?

Vivemos tempos desafiantes. Durante o ano de 2013 a juventude foi exemplo de inquietação e mobilização pelas ruas de todo o Brasil. Junho de 2013 foi um marco na mobilização da juventude e do povo brasileiro. O aumento das tarifas no meio daquele ano, uma tentativa de segurar a inflação por alguns meses, indignou os jovens e os não tão jovens assim de Norte a Sul do país, desde os das grandes cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre a até mesmo das menores. Este episódio representou um detonador de um processo de descontentamento social latente, acelerado nos anos de governo petista. Foi a primeira vez em mais de 30 anos que um expressivo movimento de massas não foi dirigido pelo PT, e apontou uma série de demandas bastante progressistas, demonstrando a existência do espaço político para um terceiro campo, alternativo à direita tradicional e ao petismo. Desde então, o país tem passado por um processo de polarização social e política intensos, e vem crescendo o apoio a posições mais extremas, à direita e à esquerda.  

O Brasil vive uma crise política, econômica e social sem precedentes, a primeira grande crise pela qual jovens de até 30 anos passamos. Só neste ano, o índice de desemprego atingiu cerca de 10% e a maioria dos desempregos está entre a juventude. Fecharam as portas quase metade das lojas de shopping centers inaugurados desde 2012. Boa parte destes empregos são ocupados por jovens. Caminhando pelos centros comerciais de algumas cidades, parece estarmos transitando por ruas fantasmas, devido ao número de estabelecimentos que encerraram suas atividades. A construção civil, uma das maiores responsáveis pelo PIB nacional, reduziu significativamente o número de postos de trabalho. Mais uma vez, são os jovens os maiores atingidos. Especialmente aqueles que encontravam na construção civil, no comércio e nos setor de serviços a oportunidade do primeiro emprego. Ao mesmo tempo que aumenta o desemprego, também aumenta a precarização. Com o fechamento de vagas com carteira assinada, a juventude passa a ser mão de obra disponível para os trabalhos mais precarizados e sem nenhuma garantia.

A renda média do brasileiro igualmente caiu em 2016. Contudo, o custo de vida aumentou muito. Tudo está mais caro: as tarifas de luz, água, gás, transporte, e também os custos com alimentação. O salário retraiu, mas o preço das mensalidades nas universidades aumentou. Além disso, o governo restringiu o montante disponível para financiamento do FIES. Muitos estudantes não conseguiram renovar seu crédito ou não puderam matricular-se por não ter conseguido o benefício.

 

Nas escolas e universidades públicas, o quadro é cada dia mais grave. Falta verba pra tudo, desde os salários dos profissionais da educação, até a comida que não é mais distribuída nas escolas. Ou porque seu recurso foi cortado, ou porque foi desviado como no caso do Escândalo da Merenda do PSDB de São Paulo.

 

Nas universidades, as bolsas recorrentemente atrasam ou simplesmente não têm sido renovadas. Muitas linhas de pesquisa tiveram seu financiamento cortado, limitando a capacidade de inovação e o desenvolvimento de pesquisas de ponta de interesse social, a exemplo do ocorrido com o PIBID.

 

O exemplo de resistência aos ataques da casta política vem ecoando desde o ano passado a partir das escolas de São Paulo que foram ocupadas pelos estudantes que derrotaram o governo Alckmin (PSDB) e seu projeto para fechar escolas, além de denunciar a máfia de políticos que roubam a merenda escolar. Sua luta inspirou secundaristas que ocupam as escolas e realizam grandes mobilizações em diversos estados, como Rio de Janeiro, Pará, Ceará, Paraná.

 

As mulheres também foram determinantes no enfrentamento à casta política, especialmente a partir da ofensiva contra o corrupto, conservador machista Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara. Enquanto uma mulher morre por aborto inseguro a cada dois dias no Brasil, Cunha afirmou que o aborto seria legalizado apenas por cima de seu cadáver. A tentativa de Cunha de proibir a pílula do dia seguinte, resultou no emparedamento deste corrupto pelas mulheres brasileiras. Hoje afastado da Câmara, Cunha é reconhecido publicamente como uma figura detestável, e o clamor por sua prisão é quase unânime na sociedade. A primavera protagonizada pelas mulheres em 2015 foi exemplar no papel dos movimentos sociais de denunciar e combater a casta política e seu programa retrógrado que retira direitos.

 

Queremos botar abaixo os governos da elite, o parlamento entregue aos grandes empresários lutar contra o regime que perpetua as desigualdades no nosso país. Sabemos que se não nos organizarmos em nossos bairros, locais de estudo e trabalho, os mafiosos seguirão definindo o futuro do Brasil. Vamos com o exemplo do #ocupatudo, ocupar a política e tomar as rédeas do nosso futuro.

 

O que nos orienta?

A batalha das ideias é travada todos os dias. Quando o pão e a passagem de ônibus ficam mais caros podemos voltar para casa indignados ou podemos organizar nossa indignação com mais pessoas para transformar esta realidade. A pressão das ruas e das greves é o que nos move em direção a mais conquistas. Sabemos que para isso também é preciso fortalecer cada vez mais os mecanismos de participação direta da população nos rumos da política nacional, para que a juventude e o conjunto dos movimentos sociais de fato sejam ouvidos. Por isso, destacamos os seguintes eixos:

-Participação na política:  Os representantes políticos nas cidades são majoritariamente representantes de uma política envelhecida. Jovens, negros, mulheres e LGBTs são subrepresentados nos parlamentos: precisamos ocupá-los com todas essas vozes. A política no Brasil hoje é sinônimo de negócios privados. Precisamos mudar de vez esta realidade, tornando a política assunto de todos. É preciso mudar radicalmente os mecanismos de participação popular na política.

-Revolução na orientação econômica: o modelo econômico do país tem como objetivo maximizar os lucros dos mega empresários. São estes os merecedores de elevada isenção de impostos e de vultosos privilégios.O povo paga a conta enquanto os grandes investidores fazem a festa do capital financeiro. Nossos impostos são drenados para atender primeiramente os interesses destes credores, os principais aliados do alto escalão da política brasileira. Em contrapartida, os serviços públicos vão de mal a pior. Somos a favor de uma orientação econômica que rompa este modelo que só beneficia as grandes corporações, os banqueiros, as grandes empreiteiras.

-Mais direitos e liberdades: por saúde e educação de qualidade; pela desmilitarização da polícia; pelo fim da guerra às drogas e da criminalização da pobreza; pela regulamentação e legalização da maconha; pelos direitos das mulheres e contra toda forma de opressão e violência; pelo respeito e dignidade às/aos LGBTS; por toda forma de amor; pela preservação da riqueza natural e de todos os bens comuns; contra os megaprojetos, como Belo Monte, que destroem o patrimônio natural e cultural de nosso país; pelo respeito às populações tradicionais e a todas as etnias; pela diversidade cultural; contra o racismo e toda a forma de preconceito: por mais direitos, respeito à diversidade e pela liberdade!

 

Por que intervir nestas eleições?

No próximo período acontecerão as eleições para vereadores e prefeitos. A potência crítica e toda a insatisfação da juventude podem servir para a construção de novos caminhos. A eleição é um importante momento onde boa parte da população, por bem ou por mal, debate a política do país. É um momento onde todos se preocupam com os problemas das cidades e tentam refletir sobre soluções para eles. Se consideramos necessário revolucionar a política, não podemos deixar que a hipocrisia e as falsas promessas se apresentem como alternativa. Seria grave que após um período de intenso questionamento e muitas vitórias os velhos políticos e partidos de sempre saiam vitoriosos do processo eleitoral.

A juventude precisa ocupar as eleições com suas reivindicações. É necessário fortalecer um projeto conectado com nossas lutas. É necessário ter porta-vozes nestas eleições que levantem alto nossas bandeiras. É por isso que em 2014 a juventude que se organiza no Juntos! entrou de cabeça na campanha de Luciana Genro (PSOL) para presidenta do Brasil.

Junho de 2013 foi o ápice da luta contra o regime político do país, quando as primeiras insatisfações com a crise tiveram um alcance de massas. Desde então, processos de luta importantes vem ocorrendo, nenhum tão “global” quanto Junho, mas que tem Junho como referência. Só na juventude tivemos a primavera das mulheres e o levante dos secundaristas. Além disso, o boom de ocupações urbanas, e um aumento significativo de greves pelo país. Já na fundação do Juntos, nos colocávamos como desafio ser parte da construção de uma alternativa de poder para o Brasil, a partir de um programa anticapitalista e de ruptura com o sistema político e econômico. Aprendemos com essas experiências também. Como parte dessa construção, a campanha da Luciana Genro, em 2014 foi um passo importante neste sentido: milhares de pessoas tiveram contato com essa política, sintonizada com esses movimentos.

Por esta razão, recebemos com muito entusiasmo a notícia de que Luciana está em primeiro lugar nas pesquisas para a prefeitura de Porto Alegre, com 23%, à frente do candidato do PT Raul Pont, com 18%. Esta campanha representa a possibilidade de fazer as ideias de esquerda coerente governarem, desafiando os poderosos, criando mecanismos que apostem na mobilização para conquistar mais direitos. Porto Alegre, que foi capital da esquerda” ao sediar diversas edições do Fórum Social Mundial, pode entrar no mapa de experiências como Madrid e Barcelona, governadas pelo Podemos, apostando na construção de outro modelo de democracia a partir das cidades, com efetiva participação popular. É possível vencer!

 

Dejá un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *