Reproduzimos as diretivas de orientação à militância da Comissão Política do MNP frente a crise peruana.

Consumou-se o pacto político de impunidade entre PPK e o Fujimorismo através do indulto outorgado ao ditador Alberto Fujimori para fazer frente comum às denúncias da Lava Jato e blindar o modelo econômico (http://bit.ly/2E2dowU ). Este pacto pode ser concretizado em:

* O aprofundamento do modelo econômico através do impulso de diversos projetos extrativos, a privatização do investimento público, o corte de direitos laborais sociais e sobre os territórios.

* Um Gabinete Ministerial orientado a ajustar a maquinaria repressiva em vez de buscar a normalização política em nome da reconciliação.

* O impulso de mobilizações promovidas pelo aparato fujimorista para confrontar a mobilização contra o indulto.

* A ofensiva contra o sistema judicial para atrapalhar ou diluir as denúncias e investigações em curso contra os principais atores da política.

* O rechaço massivo ao indulto em todo o país e a emergência de uma vontade que aponte a conseguir uma nova constituição como saída democrática, levam a orientar as ações em torno ao seguinte objetivo tático: avançar na construção de uma maioria social e política que permita dar uma saída democrática ante a crise numa perspectiva constituinte.

Isso deve se concretizar em:

* Conseguir a saída de PPK e iniciar um processo de transição democrática. Reverter o Indulto a Fujimori acompanhando as vítimas.

* Persistir na defesa das investigações que vêm se desenvolvendo desde a Procuradoria e o Poder Judiciário em torno da corrupção.

* Trabalhar na centralização, territorialização, articulação de esforços de organização, mobilização e luta nas esquerdas, no movimento social organizado e no movimento cidadão.

*Preparar as ações para as próximas jornadas nacionais de protesto e diversas iniciativas cidadãs, culturais e de outra índole.

*Impulsionar um processo de mobilização constituinte com atores sociais e políticos em todo o país no constitucional, no programático e no social considerando as demandas sociais.

*Explicar aos cidadãos e à militância de maneira mais adequada as iniciativas tomadas, assim como melhorar os canais de comunicação do MNP.

Por isso, orienta-se que a militância que desenvolva as seguintes tarefas:

 

  1. Impulsionar as mobilizações, campanhas e ações apontando a massificação da luta contra a impunidade e por uma nova constituição na cidadania, unificando esforços e critérios com outros espaços, servindo de articulação dos mesmos.
  2. Conformar comitês cidadãos ou fortalecer as iniciativas unitárias nos territórios, setores e âmbitos quanto aos objetivos delineados vinculando as demandas nacionais de luta contra a impunidade, a corrupção e por uma nova constituição com as demandas locais e territoriais. Não cair em falsos dilemas entre um espaço organizado e outro senão contribuir para seu diálogo, articulação e complementação.
  3. Enraizar-nos no ativismo nas ruas de nossas cidades e nas zonas rurais com piquetes e novas formas de intervenção dos espaços públicos.
  4. Ativar ou fortalecer as iniciativas das diversas instâncias do MNP como são as de programa, as setoriais, os comitês territoriais em função de avançar nos objetivos traçados.
  5. Discutir e explicar nossa posição frente a recentes acontecimentos o que será difundido num documento especial. É preciso fortalecer quanto a isso à militância do MNP.
  6. Concentrar nossas forças na mobilização unitária do 11 de janeiro em todo o país que deve constituir-se num marco para evitar a “normalização” da impunidade que pretende PPK, exigir sua renúncia e reverter o indulto. Assim mesmo anunciar que com outras forças políticas começaremos uma campanha pelo processo constituinte que começará neste 13 de janeiro em Cajamarca, e depois terá outros acontecimentos em outros lugares do país. Finalmente, preparar-nos para acompanhar as demandas dos familiares contra o indulto e preparar-nos para a Paralisação Cívica Nacional Cidadã e Popular que impulsiona a CGTP.

Comissão Política do MNP – 09 de dezembro de 2017