CLIPPING SEMANAL DO OBSERVATÓRIO INTERNACIONAL DA FUNDAÇÃO LAURO CAMPOS



12/05/2018 –


O Observatório Internacional da Fundação Lauro traz a seus leitores nesta semana um clipping recheado de artigos e reportagens sobre a ruptura de Trump com o acordo nuclear assinado pelas potências ocidentais com o Irã, o acirramento da rivalidade entre Israel e Irã, a última sexta-feira de protesto da Marcha do Retorno em Gaza, o retorno do FMI à Argentina, as expectativas eleitorais dos colombianos, as tratativas para a formação de um novo governo na Itália, na Catalunha e na Armênia, os resultados eleitorais no Líbano e na Malásia, e a condenação de ativistas pela democracia em Hong Kong.


Na segunda parte deste trabalho, destacamos os protestos em Porto Rico, um artigo sobre a necessidade de se derrotar o uribismo na Colômbia para se avançar o processo histórico pela paz, uma entrevista com o historiador israelense Ilan Pappé sobre a histórica opressão contra os palestinos, o lançamento da candidatura presidencial de Selahattin Demirtas (hoje preso) pelo HDP na Turquia e os balanços dos pleitos eleitorais ocorridos no Reino Unido e no Líbano na semana passada.


Uma excelente leitura a todos!


———————————————————————————————————————



NOTÍCIAS INTERNACIONAIS


Trump rompe acordo nuclear com o Irã



NY TIMES (08/05): “Por trás da ruptura do acordo com o Irã está uma aposta arriscada de Trump”, por David E. Sanger e David D. Kirkpatrick

“Para o presidente Donald Trump e dois dos aliados que mais estima —Israel e Arabia Saudita— o problema do acordo nuclear iraniano não era, principalmente, sobre as armas nucleares. O problema era que o acordo legitimou e normalizou o governo clerical iraniano, abriu-o de novo para a economia mundial e para as rendas petroleiras que financiaram suas incursões na Síria e no Iraque, seu programa de mísseis e seu apoio aos grupos terroristas. Agora, com seu anúncio de retomada das sanções econômicas ao Irã e término do compromisso dos Estados Unidos com a manutenção acordo da era Obama, Trump iniciou um experimento ambicioso e muito arriscado. Como disse um funcionário europeu de alto escalão: Trump e seus aliados do Oriente Médio estão apostando que podem cortar os meios de subsistência econômica do Irã e com isso poderão “fraturar o regime”. Em teoria, a retirada dos Estados Unidos do acordo poderia permitir ao Irã produzir todo o material nuclear que desejasse, o que fazia cinco anos atrás, quando o mundo temia que estivesse desenvolvendo uma bomba.”

LINK (em espanhol): https://nyti.ms/2G6Oufl

POLITICO (11/05): “Milhares protestam no Irã contra rompimento do acordo por Trump”

Milhares de iranianos tomaram as ruas de cidades de todo o país para protestar contra a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de se retirar do acordo nuclear com as potências mundiais. Os protestos desta sexta-feira se assemelham a outras manifestações agressivas mas ordeiras típicas sob o governo de Hassan Rouhani, que tentava uma reaproximação com o Ocidente. Mas enquanto slogans de “Morte à America” são poucos, muitos iranianos estão sinceramente irritados com a decisão de Trump e estão tomando partido dos linhas-duras que há muito tempo recomendam suspeitar do Ocidente.”

LINK (em inglês): https://politi.co/2rzMnME

EL PAÍS (10/05): “Tambores de guerra no Oriente Médio”, por Ramin Jahanbegloo

“Embora os principais detratores do acordo acreditem que a decisão de Trump é um avanço, outros apontaram a complexidade da situação no Oriente Médio. Se Rohaní não tiver mais poder e a Guarda Revolucionária ganhar a queda-de-braço, será quase impossível levar o Irã de volta à mesa de negociações. A conseqüência será uma região na qual o Irã e a Arábia Saudita não terão mais oportunidades de colaborar para resolver crises regionais como as da Síria e do Iêmen. E isso significa que, no curto prazo, os Estados Unidos, a Europa e os demais partidos interessados na geopolítica do Oriente Médio enfrentarão uma alternativa impossível: ação militar contra o Irã e seus aliados ou tolerar um Irã hegemônico e nuclearizado.”

LINK (em espanhol): https://bit.ly/2jOSIiY

AL JAZEERA (08/05): “Retirada de Trump do acordo nuclear com o Irã isola EUA”

“A retirada unilateral do presidente dos EUA, Donald Trump, do acordo nuclear com o Irã – um movimento impulsionado principalmente pela política interna – isolará ainda mais os EUA de seus aliados europeus e põe em movimento efeitos ondulatórios que podem levar à proliferação de armas nucleares e tensões regionais no Oriente Médio. Oriente, dizem analistas. ‘A realidade é que, por razões que não têm nada a ver com política externa, o presidente acabou de aceitar um acordo altamente falho, mas ainda funcional, e descartou-o sem alternativa’, disse Aaron David Miller, analista do Centro Wilson, no Oriente Médio. um think-tank em Washington, disse à Al Jazeera. ‘Vamos entender alguma coisa; prepare-se para entrar no mundo pós-JCPOA com todas as incertezas que esses conjuntos de circunstâncias vão carregar’, disse ele.”

LINK (em inglês): https://bit.ly/2rz5xSW

THE GUARDIAN (09/05): “Trump cria uma narrativa para a guerra”, Editorial

“Os EUA são os autores do sucesso do Irã. Sua desastrosa invasão do Iraque viu a influência iraniana crescer ao longo de um crescente xiita no norte do Oriente Médio. Os procuradores de Teerã apoiam a ditadura assassina de Bashar al-Assad na Síria e surgiram como poderosos bloqueios políticos no Líbano e no Iraque. As explosões anti-iranianas de Trump e sua equipe criam uma narrativa em que a guerra com Teerã é a única política viável. Incentivar os radicais do Irã a reiniciar os programas de armas é uma estratégia de alto risco que pode desencadear um confronto militar entre os EUA e o Irã e provavelmente o regime sírio. O problema é que tal conflito provavelmente envolveria também a Rússia e Israel, o segundo, uma potência nuclear não declarada e a crítica mais irônica do Irã. Enquanto isso, a Arábia Saudita está pressionanda pelo direito de enriquecer ou reprocessar material nuclear. Se for permitido, então, sem dúvida, os Emirados Árabes Unidos, com seu histórico de fechar os olhos para programas ilícitos de armas nucleares, gostariam de fazer o mesmo. O Sr. Trump está abrindo uma caixa de Pandora no Oriente Médio. O mundo precisa convencê-lo a fechá-la.”

LINK (em inglês): https://bit.ly/2wysJWf

Israel ataca alvos iranianos na Síria

EL PAÍS (10/05): “Israel lança ataque de retaliação em larga escala contra alvos iranianos na Síria”

“A força aérea israelense disparou mísseis contra dezenas de alvos militares iranianos na Síria na madrugada desta quinta-feira, dia 10 de maio, segundo informou um porta-voz das Forças Armadas. A maciça operação de retaliação, uma das maiores nos últimos tempos, veio em resposta ao lançamento de 20 foguetes do tipo Grad e Fajr contra posições do exército nas Colinas de Golã, o planalto sírio ocupado por Israel desde 1967. A escalada bélica entre Israel e as forças iranianas baseadas na Síria não tem precedentes desde o início da guerra civil no país árabe. Segundo o ministro da Defesa, Avigdor Lieberman, Israel destruiu “quase toda a infra-estrutura militar do Irã” na Síria para impedir a consolidação de uma frente inimiga em suas fronteiras. “Não estamos procurando um confronto aberto, mas nos defenderemos”, alertou.”

LINK (em português): https://bit.ly/2G8Yvsm

Marcha do Retorno em Gaza

THE INDEPENDENT (11/05): “Um morto e centenas de feridos pela artilharia de Israel enquanto o protesto de seis semanas aproxima-se de seu clímax”

“Um palestino foi morto e outras centenas ficaram feridos em meio a uma nova onda de violência no último protesto de sexta-feira em seis semanas de manifestações na fronteira de Gaza com Israel.

Soldados israelenses dispararam balas e gás lacrimogêneo enquanto ativistas nas fronteiras queimavam pneus e atiravam pedras. Os confrontos eclodiram dias depois de semanas de protestos, destinados a acabar com o bloqueio de uma década de idade de Gaza, culminando em uma marcha de massas planejada que deverá envolver dezenas de milhares de pessoas.”

LINK (em inglês): https://ind.pn/2IblnNS

Em nova crise econômica, Argentina recorre ao FMI outra vez

PAGINA 12 (10/05): “A pior forma de voltar ao Fundo Monetário”, por Tomás Lukin

“Argentina solicitará ao Fundo Monetário Internacional um tradicional crédito stand-by onde o desembolso dos recursos está sujeito a condicionalidades. Ajuste fiscal e reformas estruturais são algumas das medidas habituais as quais devem se comprometer os países que acedem a esse tipo de financiamento. A entrega dos dólares é realizada em cotas que dependerão da aprovação do staff do FMI que realiza as supervisões. As precisões sobre o tipo de empréstimo que pretende obter a Casa Rosada chegaram da sede do organismo multilateral em Washington para onde viajou o titular do Palácio de Hacienda, Nicolás Dujovne. Iraque, Jamaica e Quênia são os únicos países do mundo que mantêm abertas hoje linhas stand-by com o FMI”.

LINK (em espanhol): https://bit.ly/2KaXgvk

Protestos na Nicarágua

DW (11/05): “Tensão e protestos na Nicarágua depois de ataques a universidades”

“Num ambiente crispado pela tensão, agitação, protestos e bloqueios de estradas, Nicarágua amanheceu nesta sexta-feira, depois de que a noite da quinta-feira e a madrugada deste novo dia duas casas de ensino superior, a Universidade Nacional Autônoma de Politécnica (UNAN) e a Universidade Politécnica (Upoli) foram atacadas pelo que a imprensa governamental qualificou como “grupos criminosos terroristas”, causando a morte de três pessoas”.

LINK (em espanhol): https://bit.ly/2IbFes6

Aliado de Puigdemont deve ser eleito presidente da Catalunha

FINANCIAL TIMES (11/05): “Catalunha deve votar em Quim Torra como líder regional”

“O parlamento da Catalunha votará em poucos dias sobre a possibilidade de aceitar Quim Torra para chefiar o governo regional e encerrar meses de impasse político depois que Madri ordenou eleições após uma tentativa de independência fracassada. Torra é um aliado pró-independência de Carles Puigdemont, o ex-líder catalão que liderou a tentativa de secessão ilegal e está na Alemanha aguardando a extradição para a Espanha. Torra não tem nenhuma ação judicial pendente contra ele, o que significa que é improvável que os tribunais tentem bloquear sua nomeação como fizeram com os candidatos anteriores.”

LINK (em inglês): https://on.ft.com/2G7VlFq

M5S e Liga Norte negociam formação de governo anti-UE na Itália

CNBC (11/05): “A Itália poderá em breve ter partidos populistas no poder – e especialistas estão alertando para os danos que isso poderá causar”

“Os italianos poderiam estar prestes a descobrir como será seu próximo governo depois de mais de dois meses de impasse político. Os partidos anti-establishment, o Movimento Cinco Estrelas (M5S) e a Lega, têm até o domingo para chegar a um acordo ou a Itália será encaminhada para uma repetição de suas eleições de março. As duas partes disseram em um comunicado que querem “fornecer uma resposta e um governo político para o país o mais rápido possível”, mesmo que as negociações anteriores não tenham conseguido um bom resultado. Em março, o M5S foi o partido mais votado nas eleições, mas não recebeu votos suficientes para governar sozinho. Enquanto isso, Lega viu um resultado melhor do que o esperado e foi endossado para formar um governo com o apoio de outros partidos de direita.”

LINK (em inglês): https://cnb.cx/2wy0Rl8

Líder da oposição é eleito primeiro-ministro na Armênia, após protestos massivos

EL PAÍS (08/05): “O líder dos protestos na Armênia é eleito primeiro-ministro”

“A Assembleia Nacional da Armênia (o parlamento, formado por 105 deputados) escolheu nesta terça-feira o primeiro-ministro de Nikol Pashinián, o líder dos protestos populares que duraram semanas no país do Cáucaso, um aliado da Rússia. O político, que também é deputado da câmara, obteve 59 votos a favor – seis a mais do que o necessário – e 42 contra. No último 1 de Maio, Pashinián, que dirige a coligação minoritária Yelk (Salida), falhou na sua primeira tentativa de ocupar a posição mais poderosa na Arménia, quando foi rejeitado por 56 votos contra e 45 a favor. Então ele ameaçou tomar o poder se ele não fosse eleito. Com a resolução pacífica e constitucional da crise política que eclodiu em abril, a popular “revolução” termina na Armênia contra um sistema que os cidadãos comuns percebiam como ossificado e corrupto. “Assim começa uma etapa complicada que requer grande talento e habilidade, já que Pashinián terá que formar um governo minoritário com muito pouca margem de manobra, dada a composição do parlamento”, comentou o analista do Yerevan, David Petrosián, do El Pais.”

LINK (em espanhol): https://bit.ly/2IwwErf

Eleições no Líbano 

NY TIMES (07/05): “Eleições no Líbano expandem influência do Hezbollah”

“O Hezbollah e seus aliados políticos ampliaram sua participação nos parlamentos do Parlamento libanês, aumentando sua influência política às custas do primeiro-ministro do país, apoiado pelo Ocidente, segundo os resultados das eleições preliminares divulgados na segunda-feira. O resultado das primeiras eleições parlamentares do Líbano em nove anos reforçou a posição do Hezbollah de uma forma que deve assustar os Estados Unidos, Israel e países árabes do Golfo Arábico, como a Arábia Saudita. O Irã apóia o Hezbollah, um partido político e um grupo militante que mantém a força militar mais poderosa do Líbano e é considerado uma organização terrorista pelos Estados Unidos. O Irã também investiu em aliados na Síria, Iêmen e Iraque, cujas eleições parlamentares no sábado podem entregar vitórias a grupos alinhados com o Irã. Enquanto o número de cadeiras do próprio Hezbollah permaneceu praticamente inalterado em torno de 13, vitórias de aliados políticos que apoiam a manutenção de um vasto arsenal aumentaram as chances de o grupo desempenhar um papel-chave em um governo de coalizão e diminuir as perspectivas de uma legislação desafiar seu status.”

LINK (em inglês): https://nyti.ms/2rt0tP4

Aos 92 anos, Mahathir retorna ao poder na Malásia após 15 anos, derrotando seu antigo partido

NY TIMES (10/05): “O que acabou de acontecer na Malásia?”, por Tash Aw

“As ramificações da impressionante vitória da oposição nas eleições de quarta-feira estão apenas começando a se perceber. A pessoa que parece ser o nosso novo primeiro-ministro é Mahathir Mohamad, que tem 92 anos e serviu como primeiro-ministro – com a atual colizão govenante. Mesmo depois da comissão eleitoral ter confirmado esta manhã que P.H. tinha ganho pelo menos 112 dos 222 assentos no Parlamento (ou a maioria simples que lhe dá o direito de formar o próximo governo) Najib Razak, o primeiro-ministro cessante, não estava claramente admitindo sua perda. Doze dos 13 estados do país também realizaram eleições de assembléia ontem, e a situação ganhou em apenas três. O eleitorado malaio não apenas derrubou um governo que está em vigor há seis décadas, mas o fez de forma pacífica e democrática, apesar dos temores de Mahathir de que essa eleição possa ser a mais “suja” da história da Malásia. Este país, cuja maioria é muçulmana-malaia, tem um longo e feio registro de voto ao longo das linhas raciais. No rescaldo da última eleição geral em 2013, quando a B.N. sofreu perdas significativas pela primeira vez em sua história, o governo culpou a população da etnia chinesa da Malásia por semear a discórdia nacional e falou de um “tsunami China”.”

LINK (em inglês): https://nyti.ms/2wHbvpV

Kim Jong-un visita Xi Jinping 

EL PAIS (09/05): “Kim Jong-un e Xi Jinping reúnem-se de modo surpresa pela segunda vez”

“Na reunião de Pequim, que Kim Jong-un viajou com sua esposa, Ri Sol-ju, Xi e ele concordaram em normalizar as relações bilaterais, tensas durante os primeiros anos do mandato do líder norte-coreano. De acordo com a imprensa oficial chinesa, Kim também expressou sua disposição em discutir a desnuclearização de seu país em conversas com os Estados Unidos. Na época em que a estada de Kim era conhecida em Dalian, em Washington, Trump anunciou em um tweet que ele falaria na terça-feira com Xi sobre comércio, “um campo em que coisas boas acontecerão”, e a Coreia do Norte. Eles estão criando relações e confiança “.”

LINK (em espanhol): https://bit.ly/2jOzdHj

Putin recebe Netanyahu em Moscou

BLOOMBERG (10/05): “Poderá Putin deter Irã e Israel de irem à guerra?”, por Gregory White

“Se alguém puder impedir uma guerra entre o Irã e Israel, pode ser Vladimir Putin. O presidente russo recebeu o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu para a parada militar anual da Praça Vermelha, horas antes de as forças israelenses atingirem dezenas de alvos iranianos dentro da Síria. Netanyahu fez o melhor que pôde para agradar, usando na lapela uma fita marrom e preta de São Jorge, um símbolo da lembrança russa da Segunda Guerra Mundial que veio a ser a bandeira da intervenção do Kremlin na Ucrânia. Ele tinha um grande pedido: que Putin não entregasse mísseis avançados de defesa aérea para a Síria, um movimento que poderia ameaçar o domínio aéreo de Israel. Por enquanto, Moscou parece disposto a deixar o estado judeu montar ataques limitados. Enquanto o Irã é um aliado-chave na guerra da Síria, o Kremlin não quer que ele se torne poderoso demais. As autoridades russas também estão preocupadas com o risco de escalada, especialmente com milhares de tropas russas baseadas ali. Putin tem interesse em manter o Irã em seu canto e está enviando um alto diplomata hoje para Teerã para conversações.”

LINK (em inglês): https://bloom.bg/2jRszQF

Tensão na Colômbia acerca do futuro dos acordos de paz após as eleições

NBC NEWS (10/05): “Enquanto a eleição presidencial colombiana se aproxima, cresce o temor sobre o histórico processo de paz”

“Quando o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, anunciou vários decretos de emergência no mês passado em uma tentativa de salvar um acordo de cessar-fogo com os guerrilheiros esquerdistas, a fragilidade da trégua do país foi desnudada. As medidas, forçadas pelo Congresso após um surto de violência relacionada ao narcotráfico e alegações de desvio de fundos de paz, ocorreram quase dezoito meses depois que o governo de Santos apertou a mão de líderes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) em um acordo para acabar com mais de cinco décadas de guerra civil. O temor pelo futuro do processo de paz deve aumentar, pois Iván Duque, candidato do partido conservador Centro Democrático, prometeu fazer “modificações estruturais” em um acordo que ele e seus partidários acreditam que permitirá que os rebeldes sejam responsabilizados por crimes de guerra.”

LINK (em inglês): https://nbcnews.to/2rANDhC

Prisão de ativistas em Hong Kong

THE GUARDIAN (11/05): “Ativistas pela democracia em Hong Kong enfrentam três anos de prisão”, por Lily Kuo


“Um tribunal de Hong Kong julgou dois ex-legisladores pró-independência culpados de reunião ilegal por tentar forçar sua entrada em uma sessão legislativa em 2016. Yau Wai-Ching, 31 anos e Sixtus “Baggio” Leung, 26, do partido Youngspiration, tentaram entrar em um conselho legislativo em 2 de novembro de 2016 para fazer seus juramentos como legisladores, em um episódio caótico que um ponto de convergência para os incipiente movimento pró-democracia de Hong Kong.

Yau, Leung e três assistentes que os acompanharam podiam pegar até três anos de prisão, de acordo com a ordem pública de Hong Kong. Eles podem pagar a fiança até 4 de junho, quando o tribunal vai prolatar suas sentenças.”


LINK (em inglês): https://bit.ly/2IaTRQH



ARTIGOS E DEBATES DA ESQUERDA INTERNACIONAL

Eleições na Colômbia

PORTAL DE LA IZQUIERDA (11/05): “Para defender a paz, os jovens querem enterrar o uribismo com uma montanha de votos para Petro”, por Lucas Guerrero

“Sem dúvida, o fenômeno eleitoral dos últimos meses da campanha eleitoral que se encerra no dia 27 de maio é Gustavo Petro, do movimento Colombia Humana. Ex-guerrilheiro do M-19 e ex-prefeito de Bogotá, assediado pelos empresários da direita, que com sabotagens sistemáticas e com o amplificador da mídia, envergonhavam sua administração. No entanto, com várias medidas em favor dos setores mais empobrecidos da cidade e enfrentando diretamente os líderes dos partidos tradicionais, ele destacou sua luta contra a corrupção, garantindo um mínimo de água livre para os estratos mais baixos da cidade, proteção comunidade LGBT, aumento significativo no orçamento para educação e outros.”

LINK (em espanhol): https://bit.ly/2wG2b5E

Protestos em Porto Rico

PORTAL DE LA IZQUIERDA (10/05): “1 de Maio em Porto Rico: o povo unido traça as linhas de combate”, por Berta Joubert-Ceci

“No último 1 de maio ficou exposta claramente a situação extrema de devastação política no arquipélago porto-riquenho. Traçaram-se as linhas de combate. Tornaram-se patentes os interesses que a administração do governador Ricardo Roselló – e de seus antecessores tanto populares como Penepeístas – quiseram disfarçar.”

LINK (em espanhol): https://bit.ly/2IgGEBy

Crise econômica na Argentina

 REBELION (10/05): “A crise nos levou ao FMI”, por Eduardo Lucita

“O gradualismo está esgotado e o governo se encontrava num ponto – como o foi 1976, 1989/91 ou 2001 – em que deve aplicar um forte ajuste para poder relançar o processo de acumulação de capitais. Mas a situação política não é a mesma daqueles anos – não há um governo militar, não se sai de uma hiperinflação como nos tempos de Alfonsín, tampouco é o descalabro da convertibilidade que deixou De La Rúa – e têm sido as resistências sociais ao ajuste as que impuseram o gradualismo e este chegou a seus limites. O acordo com o FMI vem destravar pela direita esta situação. Assim o cenário político mudou, o corte da obra pública se fará sentir no crescimento e também nos votos, o arquipélago peronista está se recompondo ao redor dos tarifazos e da reforma labora, embora ainda não encontre uma liderança, a CGT se vê pressionada a deixar seu quietismo colaboracionista (fará isso ?). Ninguém mais assegura a reeleição presidencial em 2019. Vêm aí tempos mais duros. Tudo depende da reação social.”

Entrevista com o historiador israelense Ilan Pappé

DSA (09/05): “Entrevista com Ilan Pappé”, por Evan Heitkamp

“Gaza não é tratada como um estado por Israel, portanto, não há contradição, mas, na verdade, coerência na estratégia israelense. Os pilares dessa estratégia são os seguintes: o unilateralismo – ou seja, apenas Israel decidiu o destino da Palestina histórica e das pessoas que vivem nela. O segundo pilar é o espaço. Independentemente da natureza do regime e do regime legal em diferentes partes da Palestina histórica, Israel controla direta e indiretamente, com a ajuda da colaboração palestina ou sem ela, o espaço. O terceiro pilar é a demografia: o melhor é ter o máximo da Palestina histórica com o menor número possível de palestinos. Todos os meios são justificados para conseguir isso: enclausurar os palestinos, expulsá-los ou matá-los.”

LINK (em inglês): https://bit.ly/2rCwR2p

Rompimento de Trump com o acordo nuclear com o Irã

INTERNATIONAL VIEWPOINT (10/05): “O caminho de Trump rumo à guerra – por quê?”, por Solidarity Steering Committee

“O acordo nuclear não mudou o caráter hediondo do regime iraniano, ou de qualquer outro – nem da Arábia Saudita, nem do Egito, nem dos reinos do Golfo. Tampouco restringiu a maldade maliciosa perpetrada na Síria pelo Irã ou por qualquer outro estado – nem pela Arábia Saudita, nem pela Rússia nem pela Turquia, nem por Israel e, certamente, nem pelos os Estados Unidos. Qualquer ficção de que o acordo mudaria a natureza de qualquer regime, ou impediria que quaisquer estados e elites governantes agissem em seus próprios interesses estatais (reais ou percebidos), era delirante. Ainda mais delirante e perigosa é a ideia de que a retirada dos EUA deste acordo trará estabilidade ou progresso ao Oriente Médio, novas negociações para “um acordo melhor”, ou qualquer reforma progressiva ou mudança de regime no Irã. A mudança de regime no Irã só pode ser alcançada por seu próprio povo, não de fora – do mesmo modo que qualquer mudança política nos Estados Unidos poderia acontecer por meio de bombardeio ou invasão de fora. Quanto a acabar com a ameaça da guerra e, em última instância, com a destruição nuclear da civilização humana, isso requer uma “verdadeira revolução de valores” global – a frase profética memorável de Martin Luther King – e um movimento internacional para acabar com o imperialismo para sempre.”

LINK (em inglês): https://bit.ly/2wApcH4

Eleições no Líbano

MOLTAZEM (11/05): “Eleições parlamentares num entorno de guerra”

“As eleições no Líbano foram celebradas num clima de guerra, num momento de máxima tensão na região. A guerra na Síria tem suas influências na situação política do Líbano, a tensão entre EUA, Israel, Arábia Saudita contra o Irã igualmente tem suas influências e seu campo de batalha no Líbano, o choque entre os dois eixos regionais internacionais (Rússia-Irã-Síria-Hezbollah-Iraque) e (EUA-Israel-Arábia Saudita- França – Inglaterra) também influi sobre o Líbano. A disputa eleitoral no Líbano não esteve fora dessa tensão, cada eixo tentou consolidar o maior número de deputados, impondo uma correlação de forças favorável a um alinhamento com um eixo ou outro. Os resultados das eleições apontam uma melhora na correlação de forças a favor do eixo Síria – Irã – Rússia – Hezbollah, enquanto os aliados da Arábia Saudita perderam terreno, salvo as Forças Libanesas (aliados cristãos da Arábia Saudita), mas o ligeiro avanço das Forças Libanesas não pode compensar a grande perda do movimento Al Mustakbal do primeiro ministro Rafic El Harriri (da religião muçulmana sunita) que viu sua força reduzida quase a metade em nome de deputados, e a entrada no parlamento de forças e deputados sunitas porém aliados da Síria e do Hezbollah”. 

LINK (em espanhol): https://bit.ly/2Ki8SMO

Revolta popular da Armênia 

SIN PERMISO (03/05): “As origens sociais da classe dominante e o movimento de protesto”, por Vicken Cheterian

“Chegara a hora de uma mudança geracional na Armênia; por um quarto de século, as personalidades que surgiram do movimento Karabakh nos anos 80 monopolizaram o poder. No entanto, apenas uma mudança de representação política não será suficiente para satisfazer as expectativas populares e permitir alguma estabilidade ao país. Há uma necessidade de mudança radical no quadro ideológico, de abandonar os princípios do capitalismo neoliberal, de os oligarcas pagarem impostos – e de cobrar impostos que não são pagos há muitos anos – e redistribuir esse capital investindo para gerar atividade econômica nas cidades provinciais e áreas rurais. Só então segmentos mais amplos da população começarão a se interessar pela democracia eleitoral.”

LINK (em espanhol): https://bit.ly/2jQaaU8

Antecipação das eleições na Turquia

AL MONITOR (06/05): “O HDP pró-curdo da Turquia lança seu líder preso como candidato à presidência”

“O Partido Democrático do Povo pró-Curdo (HDP) da Turquia anunciou a candidatura de Demirtas em 4 de maio. “Nosso candidato é Selahattin Demirtas, refém na Prisão de Edirne”, disse o co-presidente da HDP, Pervin Buldan, ao jornal Hurriyet Daily. dizendo em uma declaração. A província de Edirne, no oeste da Turquia, é o ponto mais distante do sudeste predominantemente curdo, onde a principal comunidade de Demirtas está localizada. Demirtas concorreu contra Erdogan na corrida presidencial de agosto de 2014, conquistando 9,8% dos votos e, mais importante, aumentando as esperanças de que, nas próximas eleições parlamentares, um partido pró-curdo passasse pela primeira vez o limiar eleitoral nacional de 10% na história”.

LINK (em inglês): https://bit.ly/2Ii4PQh


Análise das eleições locais no Reino Unido

INTERNATIONAL VIEWPOINT (12/05): “Resultados das eleições locais revelam situação polarizada”, por Andy Stowe

“Eleições locais aconteceram em cidades na Inglaterra na quinta-feira, 3 de maio de 2018. Os resultados foram uma pequena mudança para o Partido Trabalhista sob Jeremy Corbyn, mas não um sucesso tão significativo quanto nas eleições gerais de 2017. A mídia e direito trabalhista falaram até da probabilidade de vitórias trabalhistas – como uma vara para derrotar a liderança depois, quando essas expectativas irrealistas não fossem atendidas. Infelizmente, alguns da esquerda caíram na armadilha e repetiram a mesma mensagem. O trabalho nacional não projetou uma mensagem forte anti-austeridade; uma que fez promessas sobre um governo trabalhista que está restaurando o financiamento para o governo local, que foi significativamente reduzido pelos Conservadores. Esta foi uma omissão particularmente infeliz no contexto em que a maioria dos que se destacam como vereadores trabalhistas não são partidários de Corbyn e que a maioria dos manifestos locais apenas fala sobre a gestão de recursos escassos.”

LINK (em inglês): https://bit.ly/2rDa0E8