Portal da Esquerda em Movimento Portal da Esquerda em Movimento Portal da Esquerda em Movimento

por ALEJANDRO NADAL (La Jornada)

Os tempos não poderiam ser mais infelizes para receber notícias negativas sobre a crise na Grécia. Após alguns meses no congelador, a questão da moratória e de uma possível saída grega da esfera do euro está, uma vez mais, a lançar o alarme na Europa. Mas agora isso é combinado com as explosões das primeiras semanas de Trump na Casa Branca, bem como os altos e baixos nas negociações do Brexit e as perspectivas de eleições na França, Holanda e Alemanha nos próximos meses. Este turbilhão de acontecimentos corre o risco de prejudicar o resultado das negociações sobre o “salvamento” na Grécia e as suas consequências.

A gravidade do problema que a economia grega enfrenta não deve surpreender ninguém. Para aqueles que acompanharam de perto a crise na zona euro, não é novidade ver o tsunami de maturidades que se aproxima este Verão e que não pode ser facilmente contido. Há já algum tempo que observamos como as decisões tomadas pela Comissão Europeia e pelos credores consistiram simplesmente, como se costuma dizer, em fazer cera para ganhar tempo. Bem, o tempo parece ter-se esgotado e o tempo das decisões chegou.

A primeira observação é que os programas de salvamento para a economia grega não funcionaram. A economia ainda é incapaz de retornar a algo que se assemelha a um caminho de crescimento. No ano passado, o PIB apresentou uma taxa de crescimento positiva, mas ainda num intervalo muito medíocre (0,6%). E as reivindicações triunfalistas de uma saída da recessão (do ministro das Finanças, Giorgos Stathakis) são mais propaganda do que o resultado de uma avaliação rigorosa do desempenho econômico do seu país.

O facto é que o colapso econômico que durou de 2008 a 2015 equivale a uma perda real no nível do PIB de mais de 25 por cento. E o desemprego permanece em 28%, um nível comparável ao da Grande Depressão. O nível de vida da população tem sofrido em tudo, desde os serviços de saúde até o consumo de alimentos.

A nível macroeconómico, os tecnocratas amigos da austeridade fiscal sempre justificaram os seus pacotes draconianos com o argumento de que o nível de endividamento da economia grega seria gradualmente reduzido. Mas hoje constatamos que não só este resultado não foi alcançado, como não será possível alcançá-lo no quadro das políticas atuais. Quando os programas de resgate foram lançados em 2010, esperava-se que o rácio dívida/PIB aumentasse de 115% para um nível próximo de 150% em 2015, devido ao peso dos objectivos de austeridade (excedente primário) na economia grega. Hoje, no entanto, o rácio dívida/PIB está acima da marca dos 176 por cento. É evidente que o programa de ajustamento imposto pela troika na Grécia conduziu a um círculo vicioso que gera menos crescimento e mais dívida. Esse programa está fora de controle.

Este verão Atenas enfrenta vencimentos de mais de 10.500 milhões de euros e não tem capacidade para pagar. Um relatório técnico elaborado por funcionários do Fundo Monetário Internacional conclui que, nas condições atuais, a economia grega não será capaz de cumprir as metas de crescimento que lhe permitirão fazer o serviço da dívida. O Fundo não acredita que Atenas possa alcançar um excedente primário de 3,5% do PIB e, ao mesmo tempo, crescer em 2017. E, nestas circunstâncias, os protocolos do FMI obrigá-lo-ão a não participar num novo pacote de resgate a par das instituições europeias.

Na última ronda de negociações, o FMI argumentou que a Grécia só poderia voltar a crescer e reduzir o seu rácio da dívida se fosse feita uma redução significativa do montante da sua dívida. Mas o FMI sabe que a Comissão Europeia não aprovará um alívio da dívida e continuará a pressionar Atenas, quase ao ponto de ser expulsa da zona euro. Nos últimos meses, o Governo grego desistiu de algumas promessas feitas aos seus credores, o que poluiu ainda mais a atmosfera tensa das negociações. Para a Alemanha, os Países Baixos e a Finlândia, a situação é propícia à expulsão de Atenas da união monetária. Os seus cálculos poderão conduzir a um resultado muito negativo para o euro e para todo o projeto europeu.

Após sete anos de austeridade orçamental implacável e de um programa de privatizações e “reformas estruturais”, a Grécia continua a sofrer a pior crise vivida por uma economia desenvolvida. E o desastre só se aprofunda e se espalha. Parece que já vimos esta tragédia muitas vezes antes. Mas desta vez as coisas podem ser diferentes. Tsipras e seu partido podem chegar ao limite e quebrar o fio condutor que pende sobre a permanência da Grécia no euro. Depois do golpe do Brexit, o Grexit pode ser fatal para o euro. Mas depois de oito anos de castigo, é talvez a melhor saída para a Grécia.

ALEJANDRO NADAL é um economista mexicano.

 

Uma nova página para apoiar e construir novas alternativas na América Latina e no mundo, defendendo o poder dos trabalhadores e do povo contra o 1% dos ricos e poderosos, e uma sociedade sem exploração.

Secretaria de redação

  • Pedro Fuentes
  • Bernardo Corrêa
  • Charles Rosa
  • Clara Baeder