Portal da Esquerda em Movimento Portal da Esquerda em Movimento Portal da Esquerda em Movimento

Sem a revolta eleitoral da esquerda inspirada por Bernie Sanders em 2016 e levada adiante por Alexandria Ocasio-Cortez, entre outros, o movimento socialista nos Estados Unidos provavelmente ficaria estagnado na mesma rotina em que esteve por décadas. Mais de uma década de mobilização e uma consciência de classe crescente estabeleceram as bases para a renovação da política de esquerda, mas a campanha do Sanders foi a faísca fundamental.

À medida que se prepara para outra corrida em 2020, muitos no Democratic Socialists of America (DSA) e aqueles que estão seguindo nosso trabalho esperam que todos saltemos a esta nova campanha. Mas nem todos estão de acordo. As pessoas no DSA que se opõem a nossa participação organizada em uma campanha do Bernie 2020 expõem três objeções principais. Primeiro, argumentam que a campanha do Bernie seria insuficientemente socialista e não moveria a esquerda adiante. Em segundo lugar, afirmam que a corrida do Bernie na verdade fortaleceria ao Partido Democrata e solaparia o potencial de uma política socialista independente. E terceiro, afirmam que o DSA não pode fazer uma contribuição significativa a dita campanha.

Embora respeitamos as contribuições de todos os nossos camaradas ao debater sobre Bernie, acreditamos que todas as suas objeções podem ser respondidas. Tomaremos cada um a sua vez, tanto para refutá-los como para expor o que acreditamos qual a melhor estratégia para uma campanha de Bernie 2020.  Em nossa opinião, uma campanha de Sanders apresentaria os melhores meios disponíveis no curto prazo para elevar a consciência de classe, desenvolver ainda mais o movimento socialista, intensificar o conflito necessário entre liderança e a base do Partido Democrata, e construir o DSA.

Bernie avança a política socialista? Se os críticos de uma campanha do Sanders 2020 têm razão em que a plataforma do Sanders não consegue gerar apoio para as demandas socialistas democráticas, então não é necessário abordar todos os outros desafios de dita campanha. Os socialistas não podem apoiar um candidato que de maneira nenhuma avance a política socialista. Avançar na política socialista de hoje, em um momento em que nossos pontos de vista são ainda marginais (embora finalmente estão tendo uma audiência), significa principalmente construir a consciência de classe de milhões de pessoas. Não é porque a visão de uma sociedade melhor que queremos seja impopular. A grande maioria das pessoas nos Estados Unidos deseja tirar as pessoas da pobreza, reduzir drasticamente a desigualdade, proteger os direitos dos imigrantes, pôr fim ao encarceramento em massa, garantir o atendimento médica universal, proteger o meio ambiente e frear o poder dos patrões. Estes objetivos são tremendamente populares. De maneira nenhuma abrangem a totalidade da visão socialista de um mundo melhor, é obvio, mas são uma parte crítica disso.

O problema está em outra parte.

Em primeiro lugar, as soluções que os socialistas sabem que são necessárias para obter estes objetivos são ainda controvertidas e, freqüentemente, pouco conhecidas. Todas implicam atacar frontalmente o poder da classe capitalista, e a menos que as pessoas estejam preparadas para resistir à enorme contra-ofensiva dos ricos e poderosos quando atacarmos seus privilégios, não haverá o apoio popular ou as mobilizações maciças necessárias para ganhar.

E segundo, muita gente segue sendo muito cética de que se possa fazer algo a respeito da situação podre em que nos encontramos. Inclusive poderiam ter consciência de classe no sentido de que sabem quem é o inimigo: os banqueiros, os ricos, os proprietários, os patrões. – Mas estão resignados à situação tal como está. Um componente crítico da consciência de classe é saber que a classe trabalhadora tem poder, se organizarmos. Temos que levar essa dimensão de consciência de classe aos bairros da classe trabalhadora em todo o país. O avanço da política socialista em nosso período depende de abordar estes dois problemas.

Podemos construir um apoio real para políticas redistributivas, para que o povo saiba que é o poder da classe capitalista que temos que enfrentar para construir a melhor sociedade que todos queremos? E podemos inspirar a milhões de pessoas a passar da resignação à ação? Esta é a razão pela qual a campanha de Sanders foi tão importante em 2016, e por que será novamente em 2020 se ele se postular. Como DSA temos os números e recursos para ter um pequeno impacto na elevação da consciência de classe por nossa conta.

A campanha “Medicare para todos” do DSA faz um trabalho fantástico ao popularizar uma compreensão mais profunda do que é “Medicare para todos” através de seus “cinco princípios”. Nossos candidatos, como Julia Salazar no Brooklyn, Jovanka Beckles na área da baía e Kristin Seale na Filadelfia, ajudam-nos a alcançarmos milhares de pessoas. E os membros sindicais do DSA levam nossa política socialista e nossa visão de um movimento trabalhista de esquerda, militante e democrático aos locais de trabalho em todo o país. Mas ainda somos muito pequenos, inclusive com organizações aliadas, para fazer a transformação qualitativa na consciência de classe que se necessita hoje em dia. Deixando de lado um debate que surgiu no Twitter faz uns meses sobre se Lenin apoiaria ao Bernie hoje (o faria), Lenin tinha razão quando disse: “onde não há milhares, mas sim milhões, aí é onde começa a política séria”.

A melhor esperança eleitoral que temos agora para elevar a consciência de classe de milhões de pessoas é uma vez mais através de uma campanha presidencial de Bernie Sanders. Sua plataforma para terminar com a austeridade, aprovar Medicare para todos, aumentar o salário mínimo, ampliar a Segurança Social e fazer com que as universidades públicas sejam gratuitas, dialoga com as necessidades das pessoas da classe trabalhadora. Seus planos para enfrentar o encarceramento em massa, pôr fim à liberdade sob fiança, proteger aos imigrantes sem importar seu estado e combater a mudança climática dialogam com e ajudam a emoldurar os crescentes movimentos para acabar com a repressão estatal e a destruição do meio ambiente.

Sua campanha popularizará esta plataforma enquanto também ampliará a compreensão das pessoas sobre o que se necessitará para ganhá-la. Sanders identifica constantemente à classe capitalista (a que geralmente chama “milionários e multimilionários”) como a força negativa na sociedade, e diz consistentemente e diretamente que os imporia mais para pagar os novos benefícios sociais que propõe. Também vincula ganhar estes programas redistributivos com cortar o orçamento de defesa e pôr fim às intervenções militares dos EUA. E sua campanha pode inspirar milhares de ativistas a tomar suas próprias iniciativas.

Como demonstraram os professores este ano em vários estados conservadores, muitos trabalhadores se inspiraram, em parte, na corrida do Bernie em 2016 para começar a organizar-se. A campanha do Bernie jogou um papel importante em catalizar uma nova onda de militância da classe operária. É obvio, a plataforma de Sanders trata principalmente de demandas imediatas. Como socialistas, sabemos que se necessitarão mais que reformas para mudar os problemas subjacentes aos que enfrenta a sociedade atual. Definitivamente, a existência de uma classe capitalista é antitética a uma ordem igualitária e democrática, por isso para assegurar a melhor sociedade que todos desejamos será necessário abolir por completo o poder dessa classe.

E isso requererá reformas estruturais muito mais ambiciosas, que eventualmente incluirão a nacionalização dos grandes bancos e das grandes corporações, colocando os locais de trabalho sob o controle democrático dos trabalhadores em lugar dos patrões, e substituindo nossa antiquada Constituição e sistema de governo. Esses não são o tipo de demandas que encontrará na revolução política do Sanders. Mas há uma boa razão para isso. Uma condição prévia para lutar em uma plataforma tão ambiciosa é construir um nível muito mais elevado de consciência de classe. E é para esse objetivo que Sanders nos está movendo, independentemente de compartilhar ou não nossa perspectiva de mais longo prazo de que é necessário romper com o capitalismo. O que importa em um período como o nosso, quando não podemos esperar razoavelmente que o movimento socialista tome o poder do estado, está afastando às pessoas da resignação em ação em torno dos temas que lhes preocupam neste momento. No processo, temos que criar consciência de que inclusive ganhar demandas imediatas como Medicare para todos exigirá um enfrentamento com a classe capitalista. Quando milhões compartilharem essa compreensão comum, serão possíveis oportunidades para desafios mais profundos e radicais ao sistema, particularmente se houver uma forte esquerda socialista que impugna as eleições e se organiza em sindicatos e movimentos de massas. Mas como um democrata? Enquanto alguns encontram o defeito central da campanha do Sanders em sua plataforma, outros o encontram na forma como ele provavelmente entrará na corrida. Se Bernie competir em 2020, sem dúvida estará na primária democrata. Então, enquanto alguns estariam dispostos a admitir que a plataforma do Sanders de fato avança no projeto socialista, argumentam que a forma como ele competiria faz com que seja impossível para os socialistas de princípios fazer campanha por ele. Esta crítica tem uma melhor compreensão do processo que desencadeou Sanders, embora ainda careça de uma compreensão clara das oportunidades que apresenta. Comecemos com a questão de em que linha de votação deve disputar Bernie. Acreditamos que Bernie estaria 100% correto no momento atual em tocar uma campanha presidencial através do Partido Democrata. Embora não sejamos partidários de uma estratégia do “mal menor”, o fato é que esse caminho evita as dificuldades de ser visto como alguém sem possibilidades Nas eleições presidenciais que historicamente marginalizaram os desafios da esquerda. Mas também significa que Bernie pode levar seu desafio diretamente à liderança neoliberal do Partido Democrata e apresentar ao país uma opção de como lutar contra a política de direita de Donald Trump. E isso significa que Bernie pode impulsionar esse desafio a partir da primavera de 2019, quando ele e outros opositores provavelmente o anunciem, até o verão de 2020, quando se celebra a Convenção Nacional Democrata. É obvio, preferiríamos ter nosso próprio partido independente da classe trabalhadora capaz de competir nas eleições presidenciais, e aspiramos a construir um no futuro, mas dadas as condições em que nos encontramos, participar das primárias democratas é a melhor maneira como Bernie pode avançar na política da classe em 2019 e 2020.

Mas a pergunta mais profunda sobre os efeitos que disputar na linha de votação democrata tem sobre a consciência de classe e o potencial de uma política independente no futuro é mais séria. Toda uma geração de “Berniecratas”, inspirada e apoiada pelo Bernie Sanders e Our Revolution, surgiu nos últimos dois anos para competir em primárias contra os democratas corporativos. Estes candidatos freqüentemente invocam uma versão do mantra de Paul Wellstone, um senador de Minnesota na década de 1990: “Represento à asa democrata do Partido Democrata”. Posições como essa podem terminar fortalecendo o mito de que o Partido Democrata é (ou poderia converter-se em) um partido progressista e de esquerda.

Da perspectiva de construir a consciência de classe, este enfoque é um engano. Obscurece a realidade de que a direção do partido da década de 1940 esteve dominada principalmente pela asa liberal da classe capitalista (e, por um tempo, os latifundiários supremacistas brancos do Jim Crow South). Este grupo incluiu banqueiros com orientação internacional, milionários tecnológicos, urbanizadores imobiliários urbanos e latifundiários, e magnatas da mídia.

O partido serve a estes interesses e portanto tenta a cada dois anos arrastar as pessoas da classe operária a votarem por eles com vagas promessas de concessões e, cada vez mais frequentemente, invocações do apocalipse que nos espera se os republicanos ganharem.

Enquanto Berniecratas ajudam em parte a restaurar a imagem do Partido Democrata entre os votantes, Bernie também insuflou nova vida aos ativistas com a esperança de um realinhamento das instituições do partido. Sanders nunca se registrou “formalmente” como democrata. Mas apesar de uma larga corrida de princípios como independente, nos últimos anos esteve mais inclinado a participar de conflitos de poder dentro do partido, incluindo o apoio à tentativa mal concebida de Keith Ellison para tornar-se presidente do Comitê Nacional Democrata.

Este tipo de contestações estão mal concebidas porque se apoiam em uma análise errônea da estrutura do Partido Democrata. À diferença dos partidos democráticos na Europa – pense no Partido Trabalhista no Reino Unido, por exemplo – onde os membros têm a oportunidade de dar forma à direção e escolher a liderança, o Partido Democrata realmente existente é uma rede de organizações complicada e antidemocrática, alianças de doadores e comitês de campanha que são inatacáveis pelos movimentos de base. Os comitês de partido nominalmente pequenos e democráticos que existem a nível local e estatal (e encontram sua expressão mais alta no DNC) estão despojados de quase todo poder real. Envolver-se em disputas intrapartidárias não é um uso estratégico do tempo dos ativistas. Na medida em que faz algo, cria ilusões sobre o potencial progressivo dos democratas. Apesar de nossas dúvidas sobre os alianças do Bernie e seu bando dos Berniecratas com a liderança do Partido Democrata, esse não foi o efeito mais importante de seu desafio. A transformação da consciência descrita na seção anterior é chave. Mas inclusive entre a base do Partido Democrata, estão tendo um efeito importante. Polarizaram ao partido entre uma asa corporativa dominante e uma asa progressista insurgente. Agora há uma luta ideológica real dentro do partido entre aqueles que advogam pela continuação da política neoliberal do Obama e os que apóiam uma nova política social-democrata. O perigo da cooptação de movimentos e a reabsorção de pessoas da classe trabalhadora no partido é real. Entretanto, os dramáticos e crescentes níveis de desigualdade e descontentamento político nos Estados Unidos sugerem que essa não é a resolução inevitável deste conflito no curto prazo. Estas condições objetivas provavelmente manterão viva a luta entre as duas asas do partido no futuro previsível. E os intentos de ressuscitar a reputação do partido fracassarão quase com certeza quando os verdadeiros controladores do partido, a asa liberal da classe capitalista, continuem triunfando em todas as lutas políticas significativas. Os sonhos de realinhar o Partido Democrata também se enfrentarão à estrutura verdadeiramente antidemocrática do partido. Essa confrontação tem o potencial de radicalizar ainda mais a toda uma capa de ativistas inspirados pela revolução política do Bernie. Se os socialistas tiverem razão em que o partido não se transformará para satisfazer as demandas destes ativistas, então a questão de como organizar-se fora do partido ficará ainda mais energicamente na agenda à medida que passe o tempo. Inclusive hoje em dia, podem-se e se devem tomar medidas a nível local para se apresentar candidatos independentes contra os democratas. E se resultar que estamos equivocados a respeito, se por um desenvolvimento sem precedentes o Partido Democrata se transforma em uma verdadeira estrutura democrática, então seremos nós quem terei que voltar a avaliar nossa teoria de como funciona a política para ajustá-la a uma nova realidade. Não podemos predizer o resultado desta luta entre as asas corporativa e progressiva. Pode levar a derrota para a esquerda e a reabsorção total. Ou a um compromisso complicado. Ou ao começo de uma divisão entre os líderes e a base da classe operária do partido. Mas se a estratégia política tratasse de atuar sozinho quando se garante um resultado favorável, não haveria muita necessidade de uma estratégia política. É precisamente porque o resultado é incerto que os socialistas precisam saltar e lutar para dobrar o processo em uma direção favorável para a classe trabalhadora. Isso significará trabalhar junto às centenas de milhares de ativistas do Bernie que serão parte de uma possível campanha de 2020 enquanto falam com milhões de pessoas de classe trabalhadora. No processo, devemos persuadir a todos os que possamos da necessidade de organizações políticas independentes que se enfrentem diretamente às políticas neoliberais da liderança do Partido Democrata. Precisamos assinalar as formas em que o aparelho do partido constantemente frustra, e continuará escavando, a nova política de classe que Bernie inspirou. Mas é sozinho impugnando este processo, apoiando ativamente aos candidatos que se alinham com nossos objetivos a curto prazo enquanto persuadem às pessoas que a liderança do Partido Democrata está contra nós, que podemos impulsionar o movimento mais firmemente na direção da política independente. Pode o DSA fazer uma diferença na campanha? Ainda outros admitirão que a campanha do Bernie promove a política socialista e que postular-se para as primárias democratas não viola nossos princípios políticos, mas questionará por que DSA deveria incomodar-se em respaldar e participar. O que eles não vêem é que a campanha do Bernie dependerá esmagadoramente dos voluntários de base. E o grau em que a campanha do Bernie constrói a consciência de classe e atrai a mais pessoas para a necessidade de uma política independente também depende em parte da qualidade do trabalho realizado pelos socialistas dentro da campanha. Não devemos subestimar nossa própria importância neste sentido. Como a organização militante de esquerda maior do país, DSA poderia ajudar a coordenar e liderar operações de campanha de base, especialmente fora de Iowa e New Hampshire, onde a maioria dos recursos de atenção e campanha estarão enfocados durante o 2019. Ao igual a em 2016, Bernie provavelmente poderá recorrer a importantes contribuições financeiras de pessoas trabalhadoras e de classe média que façam pequenas doações a sua campanha. Mas a força da política de esquerda nunca radicará principalmente em nossa capacidade de arrecadar e gastar dinheiro. Bernie necessitará voluntários experimentados e coordenados tocando portas e celebrando comitês em cada cidade, povo e caminho rural. E há poucas organizações como DSA neste momento com o exército de organizadores de base experimentados preparados para lhe dedicar o tempo necessário para que isto aconteça. Também nos encontramos em um terreno único e desconhecido. Da vitória do Alexandria Ocasio-Cortez, os meios nacionais se preocupam com o que faz nossa organização e o que pensam nossos membros. Nossas ações são uma prova de fogo para saber como se sente o recém ressurgido. Ao sair em apoio do Bernie, enviamos uma mensagem claro de que a base ativista da esquerda está unida na crença de que derrotar ao Trump é crucial, e que Bernie é o veículo mais viável para fazê-lo. Poucas pessoas pensarão que estamos procurando respaldar ao Kamala Harris ou Joe Biden em seu lugar. Mas a desamparo poderia interpretar-se como um sinal de debilidade para o Bernie, e permitir que os democratas centristas amalgamem ainda mais as diferenças entre seu programa e o deles. Finalmente, temos a obrigação de nos unir à campanha do Bernie para ajudar a dar forma à mensagem. Podemos unir uma campanha ativa para o Bernie com eventos de educação política durante os próximos dois anos. Seremos o único grupo organizado que o respalde e que possa brindar às centenas de milhares de voluntários uma estratégia real que vá além da campanha e uma sólida base na política socialista democrática. Imagine o impacto que DSA pode ter se, em um comício do Bernie atraindo a dezenas de milhares de simpatizantes, podemos ter uma presença impressionante e recrutar pessoas para assistir a um escrutínio ou evento de seguimento que inclua uma análise mais sólido do capitalismo e a estratégia socialista. . Também podemos ser um pólo que resista aos tentativas de alguns ativistas do Partido Democrata, que certamente gravitarão na campanha, que quererão que Sanders suavize sua política de luta de classes. Enquanto que o perfil nacional do Bernie e sua enorme popularidade é a razão chave pela qual sua campanha será tão importante para elevar a consciência de classe, a presença de um pólo socialista forte e de princípios é indispensável. Construindo DSA através de uma campanha do Sanders DSA não é nem deve ser o tipo de organização que pense exclusivamente em política em termos do que é bom para nós. Nossa tarefa principal é muito maior: não construir nossa própria capacidade, mas sim ajudar a construir a consciência e a capacidade da classe trabalhadora como um tudo. Mas para que isso funcione de maneira efetiva, temos que dedicar um tempo a pensar como podemos construir DSA. Não queremos cometer o engano oposto, muito comum em recente passado, no que as organizações de esquerda se perdem na conjuntura e não cuidam sua própria saúde. Nossa capacidade para participar da mudança do equilíbrio das forças de classe para os trabalhadores depende de nosso crescimento contínuo (“a política começa em milhões …”). Bernie não é membro do DSA, e é quase seguro que nunca o será. Mas o primeiro momento de crescimento do DSA surgiu diretamente da campanha primária do Bernie e o fracasso total da liderança do Partido Democrata para derrotar ao Donald Trump. Sabemos de fato que nossa participação nas principais luta políticas nacionais pode ser uma grande ajuda para nossa organização. Ganhamos quase 10,000 membros e uma legitimidade sem precedentes para nossa organização e nossas idéias só pela vitória do Alexandria Ocasio-Cortez. Quantas mais pessoas escutam sobre nós, mais nos querem. Uma campanha do Bernie em 2020 nos apresentará uma oportunidade similar de crescer como o fizemos em 2016, exceto que seremos uma entidade muito mais conhecido. À medida que os membros do DSA se convertam em voluntários principais na campanha do Bernie, manteremos um contato constante tanto com os ativistas como com os votantes mais receptivos a sua mensagem: as mesmas pessoas com mais probabilidades de querer envolver-se no DSA. Não é irrazoável pensar que nosso número de membros poderia superar os 100.000 como resultado de sua participação na campanha.

E os benefícios de uma campanha do Sanders não se detêm no crescimento de filiações. Para maximizar nosso impacto a longo prazo, precisamos encontrar uma maneira de mover a milhares de novos membros do DSA de partidários passivos a socialistas ativos. A campanha do Bernie é a maneira perfeita de treinar a estes novos membros para que se convertam em organizadores hábeis. Haverá atividade quase constante, o que significa que qualquer pode encontrar uma maneira de participar. Os objetivos são claros e o que está em jogo não poderia ser maior. Quase todos no país seguirão a campanha e se preocuparão com os problemas que surjam. E corremos o risco de perder estes novos membros e o impulso que ganhamos se nos abstemos da maior briga política da década. Necessitamos de um plano agora A lição número um que devemos extrair de 2016 é que organizações relativamente pequenas como a nossa devem participar dos grandes movimentos e desenvolvimentos que dominam a política nacional. Em 2020, ao igual a em 2016, a milhões de pessoas da classe trabalhadora lhes oferecerá uma alternativa entre os democratas neoliberais, um titular de direita e um socialista democrático. Perguntarão a qualquer organização que procure ser um líder dos movimentos contra a política de direita e neoliberal: “de que lado está?” Precisamos ter uma resposta.

O pior dos casos é que Bernie anuncie a princípios de 2019, DSA não tenha tido uma discussão prévia, e apressamos um respaldo ou desperdiçamos os primeiros 6 meses de sua campanha envoltos em um debate interno sobre o que fazer. A primeira opção seria antidemocrática. O segundo nos faria parecer fracos a nossos inimigos e confundir a nossos aliados potenciais. DSA é a melhor esperança que a esquerda socialista nos Estados Unidos teve em décadas para construir um futuro melhor. E para aqueles que recordam a política antes do renascimento do DSA, quando os debates sobre a estratégia socialista pareciam triviais ou abstratos porque fomos marginais e nada do que fazíamos parecia afetar ao mundo em geral, a mudança nas condições é estimulante e vertiginoso.

É incrível que agora tenhamos a oportunidade e a responsabilidade de debater questões como nossa participação em uma campanha presidencial, e saber que nossas eleições realmente importam. É obvio, não podemos predizer com certeza o que acontecerá. Nem sequer podemos estar seguros de que Bernie esteja se apresentando, embora tudo as sinais sugerem que sim o está. E não sabemos os novos desafios que enfrentaremos nesta próxima campanha. É possível que candidatos como Elizabeth Warren saltem e se unam ao apoio do Bernie, ou que a asa corporativa do Partido Democrata tenha truques na manga para cortar as pernas de uma campanha do Sanders. Mas a política se trata de fazer apostas. E para fazer boas apostas, temos que preparar e planejar os cenários mais prováveis e logo nos comprometer com um curso de ação quando for o momento adequado. Nos próximos meses, à medida que a campanha se aproxime rapidamente, cada membro do DSA terá que pensar em onde se encontram.

Em nossa opinião, cada membro deve considerar três perguntas: A campanha do Bernie construirá consciência de classe e avançará na política socialista democrática? Impulsionará mais divisões no Partido Democrata, preparando o caminho para uma política socialista independente mais audaz e mais poderosa? E pode DSA ter um impacto significativo na campanha, de uma maneira que faz que a campanha seja uma força ainda mais capitalista para elevar a consciência ao mesmo tempo que fortalece o DSA? Acreditam que a resposta às três perguntas é sim. E esperamos que cada membro se uma à discussão sobre eles e ajude ao DSA a avançar mais rapidamente para a formulação de uma estratégia para participar da campanha.

Uma nova página para apoiar e construir novas alternativas na América Latina e no mundo, defendendo o poder dos trabalhadores e do povo contra o 1% dos ricos e poderosos, e uma sociedade sem exploração.

Secretaria de redação

  • Pedro Fuentes
  • Bernardo Corrêa
  • Charles Rosa
  • Clara Baeder