Portal da Esquerda em Movimento Portal da Esquerda em Movimento Portal da Esquerda em Movimento

Boletim do Portal da Esquerda em Movimento – 20/10

BOLETIM DO PORTAL DA ESQUERDA EM MOVIMENTO – (ESPECIAL ELEIÇÕES NO BRASIL)

Esta edição do Boletim do Portal da Esquerda em Movimento é dedicada às eleições no Brasil que ocorrem ao longo deste outubro. No primeiro turno (07/10), as urnas apontaram o que vínhamos constatando nos nossos artigos nos últimos meses: a população reagiu à crise profunda do regime. Por meio de uma ampla renovação no Congresso, emergiu com força o partido ultradireitista de Jair Bolsonaro. O seu contraponto à esquerda foi a votação histórica de jovens deputadas feministas que auxiliaram o PSOL a sobreviver às leis de prescrição.

Em artigo que destacamos, Pedro Fuentes e Israel Dutra analisam com detalhes como se processou a primeira volta eleitoral e qual a posição da esquerda revolucionária em defesa da democracia no segundo turno presidencial entre Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL). Também trazemos aqui uma reportagem da Folha que retrata o fortalecimento das bancadas feministas na Câmara de Deputados e nas Assembleias. Diretamente do Peru, traduzimos uma entrevista de Veronika Mendoza ao portal The Clinic, em que a porta-voz do Movimento Novo Peru alerta para as ameaças ao continente que representa uma possível vitória de Bolsonaro no Brasil. Veiculamos, além disso, um Manifesto Internacional contra a extrema-direita no Brasil, formulado por deputadas e deputados do Parlamento Europeu. Por fim, dos EUA, Meagan Day examina as mais recentes formulações e movimentações internacionalistas de Bernie Sanders.

Uma excelente leitura a todos e até a próxima edição!

Secretaria de Redação do Portal – 20/10/2018

 

 

Eleições no Brasil

Impulsionar o movimento democrático para derrotar Bolsonaro no segundo turno | Pedro Fuentes e Israel Dutra

O PSOL deve colocar sua força e seus parlamentares nessa luta, mobilizando comitês de base contra Bolsonaro e em defesa da democracia. O movimento de mulheres, que foi vanguarda na luta contra Bolsonaro no primeiro turno, já convocou uma nova data nacional de mobilizações para o próximo dia 20/10. É muito importante que nos somemos a esta mobilização. Além desta iniciativa mais concentrada, é preciso estimular, ampliar e enraizar novas iniciativas da campanha pelo “Ele não” e pelo voto 13 contra Bolsonaro.

Bancada feminista cresce e promete forte oposição a conservadores | Folha de SP

Sâmia, eleita por São Paulo, promete enfrentamento no seu mandato. “[A eleição de feministas] não significa só que vão ter mulheres debatendo temas feministas, mas que vai haver uma postura de não abaixar a cabeça, de fazer o enfrentamento, o debate”, disse à Folha. Eleita vereadora de São Paulo em 2016, Sâmia, 29, teve sua votação multiplicada em 20 vezes. Ela credita o fortalecimento das candidaturas feministas aos movimentos de rua em defesa das questões de gênero e à vontade do brasileiro de eleger mulheres que representassem um contraponto a Bolsonaro.

Não podemos permitir que um defensor da ditadura, machista, racista e homofóbico como Bolsonaro governe o Brasil | Entrevista com Veronika Mendoza

Não podemos permitir que um fanático conservador, defensor da ditadura, machista, racista, homofóbico e autoritário como Bolsonaro governe o Brasil. Sua votação no primeiro turno é um sinal de alerta para a América Latina. Os setores democráticos, progressistas e de esquerda devemos deixar nossa soberba principista e programática e escutar as pessoas. Há uma legítima demanda de ordem, de paz, de segurança que personagens como Bolsonaro canalizam em direção a respostas autoritárias e conservadoras, apelando ao ódio e ao medo, nós devemos escutar e atender essas demandas, não desdenhá-las como muitas vezes fazemos, e canalizá-las em direção a respostas democráticas e transformadoras, apelando ao amor e à esperança.

Manifesto Internacional contra o fascismo no Brasil | Eurodeputados

A decisão que o povo brasileiro tomará no segundo turno das eleições presidenciais constituirá uma escolha de transcendental importância entre a liberdade e o pluralismo e o obscurantismo autoritário, com impactos duradouros não só para o Brasil mas para toda a América Latina e Caribe e o mundo. Conclamamos as brasileiras e brasileiros a refletirem sobre a gravidade deste momento histórico. Entre a democracia e o fascismo não pode haver neutralidade!

A nova visão internacionalista de Bernie Sanders | Meagan Day 

O discurso de Sanders ontem, intitulado “Construindo um Movimento Democrático Global para Combater o Autoritarismo” e adaptado de um editorial que ele escreveu em The Guardian no mês passado, foi um parâmetro que mede seu progresso nesta tarefa até o momento. Nele, ele expôs uma dupla oposição ao autoritarismo e à oligarquia. Sanders enfatizou ao longo de seu discurso que a desigualdade econômica e a concentração de riqueza são corrosivas para a democracia e, por sua vez, para os direitos civis – um refrão que ouvimos dele muitas vezes no contexto doméstico. Precisamos desenvolver um movimento global contra o poder inexplicável do Estado e das empresas, que se reforçam mutuamente, disse ele.

 

Uma nova página para apoiar e construir novas alternativas na América Latina e no mundo, defendendo o poder dos trabalhadores e do povo contra o 1% dos ricos e poderosos, e uma sociedade sem exploração.

Secretaria de redação

  • Pedro Fuentes
  • Bernardo Corrêa
  • Charles Rosa
  • Clara Baeder