Portal da Esquerda em Movimento Portal da Esquerda em Movimento Portal da Esquerda em Movimento

Ilhan Omar não é antissemita

Argumentos pró-Israel têm uma maneira de refletir as preocupações de seus tempos.

Na década de 1940, o apoio ao sionismo foi vendido como uma maneira de colocar o último prego no caixão do nazismo. Nos primeiros anos de descolonização, Israel era considerada uma nação recém-nascida que se defendia dos exércitos de monarquias árabes alinhadas com os britânicos. Nos anos 1970 e 1980, a política pró-Israel capturou um clima de anti-utopismo pós-1968, com o terceiro-mundismo de esquerda sendo o novo deus que falhou. E na década de 1990 – após a reorganização thatcherista da economia de Israel pelo Likud e a emergência do país como um gigante tecnológico globalizado – o apoio a Israel tornou-se um sinal de alinhamento judicioso com a nova dispensa liberal de Davos pós-Guerra Fria.

Portanto, não é surpreendente que hoje, críticas sérias ao Estado judeu sejam condenadas, acima de tudo, como uma violação da etiqueta multicultural. É espírito dos tempos. Se era sexista a campanha de Bernie Sanders para ridicularizar Hillary Clinton por seus discursos do Goldman Sachs, e se beirava o racismo querer acabar com os bancos, é lógico que os comentários da deputada Ilhan Omar sobre o lobby pró-Israel seriam escolhido para ser – como disse firmemente o deputado pró-Israel Eliot Engel – “profundamente ofensivos”, “profundamente dolorosos” e um “insulto anti-semita vil”.

Porém eles não eram nada anti-semitas. Como o blogueiro do Washington Post Paul Waldman apontou em um definitivo desmantelamento minucioso da campanha de difamação contra Omar, os comentários pelos quais a congressista de Minnesota foi atacada nunca se referiram aos judeus em primeiro lugar. “Eu não deveria ter lealdade / apoio a um país estrangeiro para servir meu país no Congresso ou servir no comitê [de relações exteriores]”, escreveu ela em um tweet. “Eu quero falar sobre a influência política neste país que diz que não há problema se as pessoas pressionarem por lealdade a um país estrangeiro”, observou ela em uma reunião na prefeitura. “Eu quero perguntar, por que é bom para mim falar sobre a influência da NRA, das indústrias de combustíveis fósseis, ou indústria farmacêutica, e não falar sobre um poderoso lobby que está influenciando a política [do Oriente Médio]”.

Não faz sentido discutir o que esses comentários disseram ou não sobre os judeus. Eles não mencionaram judeus. As palavras referiam-se a um conjunto de indivíduos e organizações que insistem na lealdade incondicional a Israel e suas políticas – uma constelação de forças em que evangélicos cristãos como o governador do Texas Greg Abbott (que recentemente declarou que “políticas anti-Israel são políticas anti-Texas”, como Waldman aponta) aparecem pelo menos tão proeminentemente quanto os judeus.

Mas julgar Omar com base no significado claro de suas palavras é errar o alvo, como qualquer um que tentou desafiar a caracterização “anti-semita” rapidamente descoberta. Pois um coro de vozes online imediatamente apareceram para insinuar isso porque eles, como judeus, pessoalmente acharam as palavras de Omar ofensivas, seu veredicto foi definitivo e foi intolerante para qualquer um que o questionasse.

“Dispensar as preocupações de uma comunidade minoritária como uma ‘difamação’ não fica muito bem”, escreveu Zack Beauchamp, da Vox, no Twitter. “Nós, judeus, temos séculos de dura experiência em identificar essas coisas e não estamos inventando o que vemos”, acrescentou Yair Rosenberg, da Tablet. Yascha Mounk citou a história de sua família com os expurgos anti-semitas da Polônia após a Guerra dos Seis Dias, em apoio a sua opinião de que “os comentários de [Omar] eram antissemitas. E nós simplesmente não podemos deixar isso passar.

Sou judeu há aproximadamente tantos anos quanto qualquer um desses escritores, e poderia citar histórias familiares igualmente angustiantes. Mas eu não vejo os comentários de Omar como antissemitas; nem Waldman, que observou em sua análise que ele foi “criado em uma família intensamente sionista com uma longa história de devoção e sacrifício por Israel”. Waldman e eu poderíamos estar errados sobre os comentários de Omar, mas também seus críticos judeus. O simples fato de ser judeu evidentemente não pode resolver o problema.

Se parece vagamente escandaloso dizer isso – bem, isso também é um sinal dos tempos. A teoria de que os membros de um grupo minoritário são árbitros infalíveis do fanatismo é a sabedoria convencional em muitos setores, mas apresenta alguns enigmas desconfortáveis. Uma pesquisa recente do Public Religion Research Institute, por exemplo, descobriu que 57% dos evangélicos brancos (e 40% dos evangélicos não-brancos) acreditam que há “muita discriminação contra os cristãos” nos Estados Unidos hoje. Duvido que Beauchamp, Rosenberg ou Mounk estejam dispostos a acreditar nessa opinião. Mas se os cristãos americanos não são, de fato, vítimas de discriminação generalizada, por que tantos deles acreditam que são?

Aqui está uma possibilidade. Talvez os evangélicos assistam a um monte de notícias da Fox News, onde eles são submetidos a anedotas apimentadas, como um comentário anti-cristão do Facebook por um radical do campus; o mais recente despacho da linha de frente da Guerra contra o Natal – repetido várias vezes, ecoado e amplificado por políticos e líderes religiosos, até que realmente começa a parecer plausível para eles que uma Kristallnacht contra os crentes está a caminho. Não é tão difícil assustar as pessoas.

Uma observação semelhante poderia ser feita sobre um conflito paralelo ocorrendo do outro lado do Atlântico: a controvérsia do anti-semitismo no Partido Trabalhista do Reino Unido. Beauchamp o invocou como um conto preventivo: “O debate Democrático vital sobre Israel não pode ser contrabandeado no anti-semitismo. Foi o que aconteceu com o Partido Trabalhista do Reino Unido, onde 85% dos judeus britânicos agora acreditam ser anti-semita precisamente por causa da maneira como sua esquerda discute Israel”.

Agora, se 85% dos judeus britânicos consideram o Partido Trabalhista de Jeremy Corbyn anti-semita, isso é certamente uma tragédia. Mas a tragédia se deve principalmente ao modo como Israel é discutido pela esquerda britânica, como Beauchamp afirma? Ou é devido principalmente ao modo como a esquerda britânica é discutida pelos partidários de Israel?

Os meios de comunicação da Grã-Bretanha, que são monoliticamente anti-Corbyn, se envolvem em uma reciclagem ininterrupta de acusações de anti-semitismo de arrepiar os cabelos. Estes são emitidos em intervalos regulares pelos inimigos intrapartidários do líder trabalhista, cujo objetivo primordial é impedir que Corbyn se torne primeiro ministro, devido a desacordos políticos. O mesmo pode ser dito de seus oponentes dentro da liderança das organizações comunais judaicas pró-Israel da Grã-Bretanha, como o Conselho de Deputados dos Judeus Britânicos, que serve como contraparte do Reino Unido para o Comitê de Relações Públicas Israel-Americano (American Israel Public Affairs Comittee – AIPAC). Judeus britânicos são tratados com um ciclo constante de discussões em painel e especialistas dedicados a refazer, digamos, o mais recente tweet exagerado de um ativista trabalhista anti-sionista local em Barnsley. Sob tais circunstâncias, pode-se apenas esperar que um “efeito Fox News” se estabeleça.

Não vamos esquecer que os judeus do Reino Unido não estavam muito favoráveis ao Labour antes de Corbyn; Uma pesquisa pré-eleitoral de 2015 encomendada pelo Jewish Chronicle descobriu que apenas 22 por cento dos judeus do Reino Unido planejavam votar nos trabalhistas sob seu líder anterior, Ed Milliband, que é judeu, contra 69 por cento que planejavam votar nos Tory. (Dois anos depois, com Corbyn liderando o partido, os números trabalhistas na pesquisa do Jewish Chronicle caíram para 13%). Então, quando um membro do partido de Jeremy Corbyn o acusou de representar uma “ameaça existencial aos judeus britânicos”, como fez Joan Ryan no mês passado – sim, é uma citação real – os judeus britânicos podem ser perdoados por concluir que onde há fumaça deve haver fogo.

O fato de Ryan, a ex-chefe dos Amigos Trabalhistas de Israel (Labour Friends of Israel), estar fazendo uma vingança política contra Jeremy Corbyn – ela estava em contato quase diário com um funcionário da embaixada israelense cuja missão era, em suas próprias palavras, “derrubar” Políticos britânicos amigáveis demais para a Palestina – podem não ser levados em consideração. (O Ministério das Relações Exteriores de Israel rapidamente retirou o agente do Reino Unido depois que ele foi exposto.)

O ponto é que há interesses políticos reais e materiais envolvidos em tais disputas. Não são meros desdobramentos espontâneos de sentimentos. E isso significa que não podemos nos permitir a pretensão de que todo grito proferido é sincero. Quando uma nova membro do Comitê de Relações Exteriores da Câmara desafia abertamente o mais poderoso lobby de política externa de Washington, o AIPAC, é lógico esperar que os amigos do AIPAC no Congresso busquem uma maneira de reagir. E em 2019, a maneira de reagir contra críticas desconfortáveis é chamá-las de “profundamente ofensivas”, “profundamente dolorosas”, um “insulto”.

Alexandria Ocasio-Cortez, em um tweet sobre a controvérsia Omar, reclamou que “ninguém procura este nível de repreensão quando os membros fazem declarações sobre Latinx e outras comunidades” e elogiou Omar por “demonstrar disposição para escutar e trabalhar com comunidades impactadas”. Foi uma defesa infeliz: além de implicitamente aceitar a premissa de que Omar de alguma forma tinha aviltado os judeus, o comentário dela inadvertidamente conjurou a imagem sombria de uma disputa de soma zero entre judeus e latinos sobre algum quantum fixo de “respeito”. Isso não deveria ser uma competição.

É, no entanto, uma luta política. O ataque a Ilhan Omar é um vislumbre do futuro. É assim que o jogo será jogado a partir de agora, e quanto mais instável a política americana se tornar, mais imprevisível será o deslocamento de suas placas tectônicas, maior será a tentação de as partes de todos os lados “corbynizarem” seus inimigos, de uma forma ou de outra. A resistência surpreendentemente ampla nos últimos dias contra os planos de Nancy Pelosi censurar Omar é um sinal de que a esquerda está finalmente começando a acordar. Agora ninguém pode dizer que não foi avisado.

Uma nova página para apoiar e construir novas alternativas na América Latina e no mundo, defendendo o poder dos trabalhadores e do povo contra o 1% dos ricos e poderosos, e uma sociedade sem exploração.

Secretaria de redação

  • Pedro Fuentes
  • Bernardo Corrêa
  • Charles Rosa
  • Clara Baeder